Share on Google+

Elefante Branco

  (Elefante blanco)
Sinopse Os padres Julián e Nicolas, junto com a assistente social Luciana lutam para solucionar os problemas sociais do bairro. Porém seus esforços entrarão em conflito com a igreja, governo, narcotráfico e polícia.

Share on Google+

Informações


Título no Brasil Elefante Branco
Título Original Elefante blanco
Ano de Lançamento
Gênero Drama
País de Origem Argentina / Espanha / França
Duração110 minutos
Direção
Estreia no Brasil 02/11/2012
Estúdio/Distrib. Paris Filmes
Idade Indicativa 16 anos

Elenco


... Julián
... Nicolás
>> Ver todo o Elenco...

Trilha Sonora


“A Satire Against Reason”Compuesto por Michael Nyman
Interpretada por the Michael Nyman Band
Publicada por Chester Music Limited
Cortesia de MN Records Limited
“Las Cosas Que No Se Tocan”Compuesta por Pity Álvarez (como Cristian Alvarez)
Interpretada por Intoxicados
Publicada de Tocka Discos-Popart Discos
>> Ver toda a Trilha Sonora...

Trailer



Comentários


08/09/2012 - Jair (49 anos)

1
  Bom
Denunciar
Vi o filme agora. O darin é um ótimo ator, mas ultimamente ele vem cada vez mais fazendo papel de ricardo darin. O filme é forte e se assemelha com os filmes brasileiros no quesito tráfico de drogas, porém, a exceção fica com a presença de membros da igreja que é intensa, quer para o desvio dos ensinamentos cristãos, quer para o trabalho altruísta e solidário. Um filme triste, mas profundo em sua mensagem.

17/10/2012 - Edmar Neto (37 anos)

2
  Ruim
Denunciar
O filme tem um roteiro interessante, mas cai na monotonia e, mesmo adorando o trabalho de Ricardo Darín, sou obrigado a dizer que não gostei do filme, ao contrário dos últimos trabalhos deste excelente ator.

21/10/2012 - Sylvia Lopes (31 anos)

3
  Ruim
Denunciar
Iniciando a história num cenário que lembra o interior do Brasil (e apesar de não ter sido bem explicado na sinopse, acho que é mesmo), a trama trata basicamente de pobreza, favela, periferia e alguma esperança de dias melhores para pessoas que vivem à margem da sociedade, presas em sua ignorância e falta de oportunidade, sendo assistidas por padres e por uma assistente social, que tentam como podem colocar alguma ordem num ambiente tão degradante. Vemos a ocorrência de vários conflitos, as mazelas sociais existentes em lugares tão menosprezados pelo poder público e, é claro, os indefectíveis tiroteios, temas em que o brasileiro já está escolado. Essa é uma versão argentina mais fraca desses mesmos temas. Sobre a atuação do protagonista Ricardo Darín, o ator oferece uma interpretação apenas razoável como o padre que tenta intermediar os conflitos entre gangues rivais, assim como entre elas e a polícia. Ao contrário de filmes anteriores em que seu talento se sobressai, neste ele atua de forma apenas correta. Martina Guzman, presente em mais da metade dos filmes realizados pelo diretor Pablo Trapero, ficou relegada a 2º plano, não tendo a chance de demonstrar seu talento tão bem explorado no ótimo LEONERA (2008), e que repete a parceria com Darín iniciada em ABUTRES (2010), porém de um modo menos inspirado. Na luta para construir uma obra de grande importância para os moradores da favela (o tal elefante branco), com toda a dificuldade decorrente da falta de apoio oficial, presenciamos a luta de padres metidos a justiceiros, e o mais jovem deles ainda por cima é um galanteador, que bebe, fuma, flerta e pecaminosamente se envolve com a personagem de Martina. Nenhum dos atores convence em seu papel de homens da igreja, incluindo o próprio Darín. Com um falatório arrastado e chato no início, a trama só deslancha e atrai alguma atenção a partir da 1ª hora, que é quando surgem os momentos tensos. Essa nova empreitada de Trapero, um diretor argentino que considero promissor, não foi das mais acertadas, pelo contrário; com seu desfecho medíocre e total falta de originalidade, ELEFANTE BRANCO é uma obra decepcionante. Fraco!

30/10/2012 - Mario Lobo Piller (36 anos)

4
  Regular
Denunciar
Esperava mais do filme... Principalmente pelo ator principal. Regular.

03/11/2012 - Sérgio Sarmento (59 anos)

5
  Ótimo
Denunciar
Assisti nesta manhã/tarde NO CINEMA na tão necessária sessão especial. Olha! Seguramente assisti um filme dos dois melhores talentos do CINEMA argentino na atualidade. Falo do diretor PLABLO TRAPERO (1971) e do hoje ator interacional Ricardo Darín (1957). É a segunda vez que se juntam os dois parceiros. A outra foi em ABUTRES (2010). É na realidade o quinto filme que vejo deste cineasta argentino. Como de resto igual aos anteriores o diretor faz tudo em sua obra. Ele é roteirista produtor e diretor. E apesar disso não consegue fazer feio. Tem uma projeção internacional de crítica e sucesso com o público. Sou um admirador de paixão deste jovem diretor portenho! Mais uma vez ele nos conta um pouco de personagens e ambientes que vivem à margem de uma sociedade que relegam ao segundo plano seus mais necessitados que é sua população pobre. Nos mostra uma Buenos Aires pouco vista ao mundo externo, ou seja, um cidade triste feia com sua favela ( Ciudad Oculta) que rodeia o tal edifício ELEFANTE BRANCO obra que PASMEM! Começou a ser edificada em 1934. Que parou logo após. Retomada por PERON (1895/1974) e que após o golpe de 1954 parou novamente até hoje. Cruzes! Duas vezes Cruzes! Como sempre ocorre nas obras do diretor temos uma fotografia belíssima, realista e mostrando uma realidade pouco vista. Com filmagens sensacionais em plano-sequência em que a câmara segue os personagens. Falo de uma em especial que me chamou a atenção. Me refiro aquela que o padre vai buscar um morador da favela preso pela "madrinha" poderosa e dona do tráfico de drogas. Cena realmente que me deu medo pelos perigos escondidos nas ruelas e becos da favela. Impressionante mesmo! Sobre a história dos personagens a sinopse já falou e minha colega acima disse tudo. Gostaria de dizer tão somente que a história se passa em um lugar onde não existe DEUS. E a pouca ajuda e oferecida pelos dois padres. Vividos pelo ator Darín e o outro por um jovem ator belga que cada filme que assisto com ele me apaixono por sua interpretação. Falo de Jérémie Renier (1981) que assisti em 28/09 passado SOZINHO (+ uma vez desculpe colega Fátima R. De Sá) o cativante filme MY WAY (2012). Este ator na realidade é o principal do filme. Pois é ele, um estrangeiro, que vai tocar as obra do fantástico do personagem Julian (Darín). E mais uma vez o diretor nos oferece, para meu encanto, a atriz MARTINA GUSMAN (1978) como a bela assistente social. O interessante é que a linda e talentosa Martina é mulher do diretor Trapero e é sua atriz principal em seus dois filme anteriores que são Leonera (2008) e Abutres (2010) Enfim é filme alternativo dos mais instigantes. Com uma proposta vigorosa das melhores. É filme recomendado para todos que se interessam por um tipo de CINEMA que foge do padrão pasteurizado, isto é, pronto. É filme para não ser só visto. Mas acima de tudo discutido com nossa companheira (a) amigo (a) vizinho (o). E sei lá! Com todos! Pois é o que chamamos de filme engajado. Ah! Só reparando uma informação. O diretor Trapero filmou sua obra na cidade de IQUITOS no Peru e na capital portenha. Gente! Este tipo de informação buscamos no próprio filme. E depois o filme só termina quando termina mesmo, isto é, após o término dos créditos finais.

13/11/2012 - Alexandre (31 anos)

6
  Ótimo
Denunciar
Ótimo filme! Roteiro argentino que poderia tranquilamente narrar uma história brasileira. É grande a semelhança com a favela do Moinho, em São Paulo.

27/11/2012 - Luís Ernesto (50 anos)

7
  Regular
Denunciar
O grande atrativo deste filme é a presença de Ricardo Darin e Martina Gusman. Mas o roteiro é muito solto e dá a impressão de ir de nada a lugar nenhum. É uma bela homenagem a padre Mugica, mas somente isso. É um "favela movie" hermano. Destaco a música dos Intoxicados como um ponto alto. O restante (mesmo o Darin, é mediano.

27/12/2012 - Antônio Carlos - Toco (32 anos)

8
  Bom
Denunciar
Um filme que mostra um pouco de Brasil na Argentina, digo no sentido de lá também haver favelas e problemas sociais, como acontece em TODOS OS ESTADOS BRASILEIROS, e mundial. Atuação muito dos atores, além de mostrar um pouco o lado humano dos homens de Deus. Gostei!

16/01/2013 - Maria Ignez Minhoto (45 anos)

9
  Bom
Denunciar
O filme poderia ter sido uma homenagem mais bela ao Padre Mugica... O desfecho poderia ter tocado mais o coração do cinéfilo... Mas, sempre vale a pena ver Ricardo Darín, além do tema de abertura ser muito bom e apropriado.

19/02/2013 - André Ribas (49 anos)

10
  Regular
Denunciar
Cansativo e manjado, regular, assim como outro filme anterior, A DANÇARINA E O DRAGÃO, e bem abaixo dos ótimos O SEGREDO DOS SEUS OLHOS e UM CONTO CHINES, estes 2 últimos sim, valem a pena assistir. Este aí e a dançarina e o ladrão, nem vale a pena perder seu tempo.

01/05/2013 - Católico (31 anos)

11
  Péssimo
Denunciar
Assisti só até onde aguentei. O padre que o filme mostra ser "o herói da história" flerta com mulher e ainda fuma sem qualquer timidez. Uma história com essas características certamente não é séria. Sendo assim, não perdi mais meu tempo. Além de ser um filme chato pra caramba!

09/05/2013 - Alessandro (29 anos)

12
  Péssimo
Denunciar
Não consegui ver inteiro, consegui até 30min... Depois fui adiantando para ver o desfecho... Muito chato o filme. Um dos piores.

01/07/2013 - FredMarimba (31 anos)

13
  Regular
Denunciar
Tudo bem que podem haver semelhanças com os lugares mais pobres no nosso Brasil, mas o que está em questão é qualidade do filme: Não é bom, nem muito menos ótimo, ruim também não é, e longe de ser péssimo, então sobrou "regular". Não tem nada demais nesse filme que possa te prender os olhos na tela, assisti sem ver o final que vou ver ainda hoje, mas mesmo assim tenho certeza que o final também não vai surpreender.

11/10/2013 - Odair (40 anos)

14
  Bom
Denunciar
Bom, mas é um filme que não assistiria de novo... Muito drama!

06/02/2014 - Samuel (23 anos)

  Regular
Denunciar
Olha, achei BEM RAZOÁVEL, é uma história que representa a realidade de algumas regiões do nosso país e do restante da América Latina PORÉM não gostei da forma monótona e sem altos e baixos com que o diretor a abordou, esperava +algo mais vibrante. Assisti mesmo porque gosto do trabalho do grande ator Darin e da bela Martina Gusmán, mas se puder procure outro filme dele pra assistir, pois esse não vale muito a pena.

Novo Comentário
Faça seu comentário, mas por favor, siga estas regras:
- Não faça perguntas, faça comentários sobre o filme;
- Não conte o final do filme nem partes importantes para o desfecho, mas se necessário marque o texto;
- Seja objetivo e descreva o porquê de sua nota;
- Se você ainda não assistiu ao filme, dê nota "Não vi";
- Não critique outros comentários, apenas faça o seu, sem preconceitos;
- Se você não gosta deste gênero de filme, é melhor não comentar;
- Comentários que descumprirem estas regras, serão excluídos totalmente.

 Agradecemos a colaboração. Bom uso!

O Texto Contém Spoiter? Sim / Não     Selecione o texto com "Spoiler" e click aqui.

Nome: Idade:  Nota:

Últimos Visitados

À Queima Roupa (A Queima Roupa)

Copyright © 2014 www.interfilmes.com - Todos os Direitos Reservados. Acesse a Política de Privacidade.