Share on Google+

O Quarto de Jack

  (Room)
Sinopse Uma história moderna sobre o amor sem limites entre mãe e filho. O pequeno Jack (Jacob Tremblay), de cinco anos, não conhece nada do mundo, exceto o quarto em que nasceu e cresceu acompanhado apenas por Ma (Brie Larson).

Share on Google+

Informações


Título no Brasil O Quarto de Jack
Título Original Room
Ano Lançamento
Gênero Drama
País de Origem Irlanda / Canadá
Duração118 minutos
Direção
Estreia no Brasil 18/02/2016
Estúdio/Distrib. Universal Pictures
Idade Indicativa 14 anos

Trilha Sonora


“Bag Fight”Escrita por Klaus Badelt e Andrew Raiher
Interpretada por Klaus Badelt, Daniel Rojas e Andrew Raiher
Publicada por KB Publishing e A Olympus Pictures
“Big Rock Candy Mountain”Escrita por Harry McClintock
Interpretada por Brie Larson
Used by kind permission of Carlin Music Corp on behalf of Redwood Music Ltd
>> Ver toda a Trilha Sonora...

Trailer



Comentários


12/01/2016 - Anna (36 anos)

  Ótimo
Denunciar
Excelente adaptação. Atuações incríveis, roteiro adaptado sensivelmente. Chorei com o livro, me acabei com o filme. O site deveria dar uma sinopse melhor, à altura da obra.

15/01/2016 - Henrique (58 anos)

  Bom
Denunciar
Aclamado pela crítica, me lembrou o filme Sequestro em Cleveland que foi baseado no fato real do sequestro de quatro garotas mantidas em cativeiro (uma delas também teve um filho), talvez pela minha excessiva empolgação em assisti-lo, esperava mais, um filme legal com boa interpretação da atriz Brie Larson (que não lembro dela em outro filme), um dos candidato ao Oscar, acho que tivemos esse ano filmes melhores que merecia estar no páreo "Longe desse insensato mundo" por exemplo, mas sem dúvida um bom filme.

15/01/2016 - Henrique (58 anos)

  Não vi
Denunciar
Pessoal! Sou mesmo um fanfarrão rsrsr, disse não lembrar da atriz Brie Larson, como não? Ela fez "brilhantemente" o filme "Temporário 12 (Short Term 12) " que comentei no Interfilmes, assistam também que vocês vão amar, ela é dez.

17/01/2016 - Nicéia (63 anos)

  Ótimo
Denunciar
Acabei de assistir, delicia de filme, amor de mãe e filho em circunstâncias absurdas, singelo, amei.

20/01/2016 - Tammy (32 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme triste, chocante. Muito bom!

22/01/2016 - Fvfraga (29 anos)

  Ótimo
Denunciar
‘O Quarto de Jack’ (2015) é com certeza um dos filmes mais emocionantes selecionados para concorrer ao Oscar em 2016. A temática é tão pesada quanto a abordada por ‘12 Anos de Escravidão’ em 2014. No entanto, a forma como o primeiro citado foi construído é até mais angustiante do que foi no segundo longa mencionado. Não que a realidade seja mais terrível em um do que em outro, porém o ambiente claustrofóbico em que se passa ‘Room’ (no original) e o fato de um dos personagens principais se tratar de uma criança, deixa a atmosfera narrativa ainda mais tensa.
O enredo já coloca o público dentro do drama dos personagens logo de início. O espectador se sente desconfortável nas primeiras cenas ao notar o quão pequeno é o quarto em que os dois vivem, principalmente as pessoas que tiverem maiores níveis de claustrofobia. Ainda que o foco narrativo seja pela perspectiva do menino Jack (Jacob Tremblay), que nos conta tudo de uma forma “doce”, com sua voz “suave”, nos fazendo esquecer da realidade terrível em que se encontram, em alguns momentos. O que começa quase lúdico, em seguida vai para o trágico quando temos certeza de que ele e a mãe Joy (Brie Larson) são reféns e que o garoto é filho de uma jovem sequestrada que já vem sofrendo abusos há sete anos.
E se já estávamos angustiados, nos imaginando dentro do quarto com eles, quando o garoto tem que se trancar dentro de um pequeno guarda-roupas, enquanto a sua “Ma” (como o pequeno Jack chama sua mãe) é mais algumas vezes abusada, nós entramos em desespero. Mesmo que saibamos que ele não tem noção do que está acontecendo, isso não diminui nosso sofrimento. E a cada interação do menino com o “pai/sequestrador” nós voltamos a ficar tensos. E o ápice deste turbilhão de angústias que passamos é quando as vítimas arquitetam sua fuga e temos quase certeza de que tudo vai sair errado.
Dirigido por Lenny Abrahamson, conhecido por ‘Frank’ (2014), que tinha no elenco Michael Fassbender, Domhnall Gleeson e Maggie Gyllenhaal. Em seu trabalho anterior Abrahamson já nos fazia lidar com sentimentos opostos ao nos apresentar um personagem líder de uma banda, que nunca tirava uma grande “cabeça/máscara”. Nós simpatizávamos com o cantor Frank, mas no decorrer da narrativa o estranhamento nos levava a sentir pena dele. A diferença entre os dois filmes é que em ‘Frank’ tínhamos o personagem de Gleeson (Jon Burroughs), que nos guiava pela curiosa experiência. Já em ‘O Quarto de Jack’ o roteiro e os movimentos de câmera do diretor nos colocam dentro do quarto, nós somos as testemunhas diretas sem intermediário, fazendo com que nos sintamos tão presos e aflitos quanto os personagens cativos.
Dentro do quarto o ponto de vista do menino é representado sempre por planos fechados e closes dos rostos ou de objetos do ambiente, representando sua perspectiva minimalista. Os enquadramentos só são mais abertos, a medida do possível, quando estão na mãe, que apesar de trancafiada tem uma percepção maior do mundo. As cenas externas ao quarto são de ambientes maiores, a câmera vai ampliando os enquadramentos representando o que é a sensação de liberdade fora daquele cativeiro. Conforme passa o tempo e o menino vai aprendendo mais sobre o mundo, a câmera vai se afastando mais dele, refletindo o aumento de seus horizontes.
As atuações de Brie Larson e do pequeno Jacob Tremblay são impecáveis. Larson encarna perfeitamente a mãe jovem forçada, abatida pelos anos no cativeiro e que tem na sua relação com a criança uma forma de não enlouquecer e se entregar a depressão. Tremblay é cativante, com suas reflexões de criança que não sabe que seu mundo é muito pequeno, até por que desconhece que existe um maior lá fora, quase como “O Pequeno Príncipe” em seu planetinha, pois a mãe o manteve num mundo particular por não saber se um dia eles sairiam. Seus sentimentos são como o de qualquer criança, ele fica feliz com as brincadeiras simples que tem com a mãe e se irrita quando é contrariado. Suas percepções se alteram drasticamente, quando Joy resolve lhe contar a verdade de suas condições de prisioneiros, com a intenção de que ele colabore com as suas fugas.
As metáforas visuais são muito bem utilizadas, como quando o menino consegue sair da pequena prisão e ver a imensidão do céu, que antes enxergava por uma pequena claraboia, quase como se fosse seu segundo nascimento. Seu próximo ambiente fechado depois do quartinho é um amplo e envidraçado quarto, o que contrasta totalmente com sua morada anterior. E descobrimos que a liberdade e um ambiente maior e desconhecido a ser explorado, também pode causar medo. Quando os dois interagem com outras pessoas, somos levados a refletir sobre as relações familiares e de maternidade, pois nem todos lidam facilmente com uma criança gerada num estupro.
Apesar de a nossa sensação de tensão diminuir quando os dois saem da condição de cativos, a crise emocional não é menor. A mãe, que era apenas uma adolescente de 17 anos ao ser sequestrada, tem que lidar com um lapso de sete anos em sua vida, onde todos a sua volta seguiram a diante construindo uma vida sem ela. O menino tem que lidar com uma gama muito grande de novas experiências, que em um ambiente normal ele teria mais tempo para se ambientar durante seus 5 anos de idade, recém completados. Por sorte a mãe conseguiu manter o menino saudável com uma capacidade cognitiva imensamente melhor que a de “Kaspar Hauser”. Entretanto Joy não é poupada do julgamento moral, quando resolve encarar a mídia, que quer explorar sua experiência trágica, levando-a a se questionar sobre o tratamento que deu ao filho durante os anos no cativeiro.
‘O Quarto de Jack’ já desponta como um dos melhores dramas de 2015/2016, provavelmente é um dos mais eficazes dos últimos anos, em proporcionar sentimentos fortes em quem o assiste. Por mais insensível que um espectador possa ser, dificilmente ficará indiferente durante e ao final do filme. Certamente é uma experiência que não poupa o público de sentimentos conflitantes e contraditórios, que vão da tristeza a extrema euforia, porém assistir a obra é uma jornada inegavelmente gratificante no final. Indicado aos Oscar de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Atriz e Melhor Roteiro Adaptado, dificilmente sairá sem ganhar algum, com grandes chances para Brie Larson, apesar de ter a difícil missão de vencer Cate Blanchett, Saoirse Ronan, Charlotte Rampling e Jennifer Lawrence.

28/01/2016 - Michele (34 anos)

  Bom
Denunciar
Que história contada baseada em outras reais não emocionam? Mostrar Spoiler Pensar que uma mulher, sequestrada aos 17 anos, voltando do colégio, é mantida refém por longos e infinitos 10 anos, tinha sofria todo tipo de abuso, especialmente sexual, quase todas as noites com doente pervertido, já dá pra dar o tom da emoção e revolta ao assisti-lo. Desses anos de cácere e abusos, veêm um filho, que sofre da mesma restrição de liberdade. As atuações são realmente maravilhosas, o que, na minha humilde opinião, carrega o filme nas costas, pois não é há fotografia, informações agregadoras, e muita morosidade, devido ao fato, de, ser metade dele, como já diz o próprio nome, dentro de um quarto. Mas o desenrolar dessa triste história, é de superação e recomeço, numa ainda, longíngua, caminhada no aprender e reaprender a viver. Esse pequeno o grande ator que faz o Jack, tem talento nato, e tanto ele como Brie Larson, faz com que o telespectador sinta-se vendo uma filmagem de uma câmera escondida e não uma ficção, tão natural que o fizeram! Não gosto de filmes escuros e frios assim, mas vale a pena como sempre, ver todas essas maravilhas chamadas filme!

30/01/2016 - Junior Brasil (32 anos)

  Ótimo
Denunciar
Ótimo, possivelmente baseados em fatos reais. O menino é um ótimo ato, espero que ganhe o oscar 2016.

06/02/2016 - Sérgio Sarmento (62 anos)

  Ótimo
Denunciar
Assisti nesta tarde NO CINEMA em um avant premiere (adoro essa palavra!) pois seu lançamento vai se dar tão somente em 18.02.2016. Este filme com certeza tenho a mais nítida certeza que não iria assistir se o mesmo não tivesse sido, surpreendentemente, escolhido para concorrer ao Oscar de melhor filme na madrugada de 29.02.2016. Pois até a data da escolha do Oscar em 14.01. Passado. O filme não tinha nem distribuição no Brasil. Ao sair os candidatos a Universal Pictures se apressou em adquirir os direitos para nosso pais. Por isso só quem assistisse em televisão, como aconteceu com as pessoas acima da minha resenha, teriam o privilegio de ver e comentar o O Quarto de Jack. Por isso o prêmio Oscar pode e poderá ser importante por nos revelar filmes que jamais iríamos assistir EM CINEMA neste pais. É o mesmo caso do filme Brooklyn que teremos a estreia em 11.02.2016. Mas isso é um dos assuntos que escreverei quando assistir EM CINEMA no dia da estreia. Mas vamos ao filme. Olha! Belo melodrama! Uma obra produzido independentemente. Com recursos da televisão canadense e associado com produtores irlandeses. Com diretor irlandês Lenny Abrahamson. Totalmente filmado, em suas externas, na cidade canadense de Toronto. E supostamente (o filme jamais esclarece isso) baseado em fatos reais e no sequestro de uma garota de 17 anos e em cativeiro por longos 10 anos. Disso tudo resulta uma criança de, então, cinco anos de idade. Pois é a partir do confinamento (no quarto) desde menino, com sua mãe, que o filme tem seus melhores momentos. Sendo que após isso vemos tão somente uma maneira bem comum de acontecer as coisas, ou seja, muita choradeira e, ainda, baseado em uma emoção tão somente corriqueira. Com grande interpretação do menino que vive Jack. Falo do ator mirim Jacob Tremblay. E, ainda, da atriz Brie Larson que faz sua mãe de nome Ma. Papel que oportunizou sua indicação para melhor atriz na noite de 28.02.2016. Ao contrario de muita gente boa (não é seu Felipe Fraga?) que escreveu. Penso que essa jovem atriz californiana não tem chance alguma na corrida do Oscar 2016. E depois mais uma vez a miopia (ou será o preconceito para gente pequena?) dos votantes da Academia não escolheram o ator mirim Jacob Tremblay como candidato ao prêmio de melhor ator. Seu trabalho sim esteve bem melhor que a atriz escolhida, ao prêmio, Brie Larson. Mas a gente que acompanha há mais de 40 anos, como "penetra" da festa na entrega do Oscar, sabemos como "eles" se comportam e votam no meio de tudo aquilo. Enfim e repetindo. Só estou escrevendo minha resenha desta obra pela sua indicação ao prêmio maior na madrugada de 29.02.2016. Com certeza tenho dito!

11/02/2016 - Elza (30 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme emocionante! Concordo com o sr. Sarmento, quando fala que Brie Larson não leva o Oscar por essa atuação, apesar de tê-la achado muito boa no filme. A lástima é que nem ao Globo de Ouro, nem ao Oscar o GENIAL garoto foi indicado. Gente... Esse menino atuou maravilhosamente: os trejeitos, a timidez, as cenas de raiva, as expressões faciais... Fiquei encantada e emocionada com a atuação. O filme traz a situação toda pela visão do garoto, suas percepções e inocência sobre o mundo. Um belo filme, sem dúvida! Comprarei o livro, que dizem ser muito bom também.

11/02/2016 - Eduardo B. de Morais Lima (19 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme ótimo, com uma história diferente, e uma mensagem linda! Nota 9...

14/02/2016 - Daniel de Medeiros Gangan (34 anos)

  Bom
Denunciar
Muito bom, sensível, mas não deixa de ter um clima pesado pelo fato do filme se passar aos olhos do menino. O filme é basicamente dividido em duas partes, achei a segunda melhor e com um ar psicológico mais interessante. Vale a pena conferir.

14/02/2016 - Italo (20 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme maravilhoso, e com certeza se tornou um dos clássicos do gênero A atuação de Jacob como Jack está maravilhosa E o retrato da situação em sí vista pelos olhos de uma criança, é que deixa a trama tão especial, muito bom.

21/02/2016 - Papik (34 anos)

  Bom
Denunciar
E pensar que essa situação toda que mãe e filho passaram aconteceu/acontece de verdade com seres humanos. Excelente desempenho do garotinho (Jacob Tremblay). É um filme tocante. Não é, entretanto, filme para Oscar. Até entendo que ser indicado dá-lhe uma grande visibilidade e bilheteria, mas...

23/02/2016 - Vanessa (33 anos)

  Ótimo
Denunciar
Excelente! Quem faz o filme é de fato o garoto e não a atriz protagonista. Não que ela não esteja bem, mas quem dá alma a esse drama é o garoto. Difícil não se emocionar com esse filme.

28/02/2016 - Kassio (18 anos)

  Bom
Denunciar
Um ótimo filme, mas só eu que consegui enxergar alguns furos, Mostrar Spoiler seu sequestro não é bem explicado, seu sequestrador se livra muito fácil da criança, sabendo que poderá ser pego, seu resgate rápido e sem emoção alguma, o sequestrador não o mencionam mais, sério eu senti falta dessas coisas básicas, nem mencionadas foram, achei tudo muito estranho, mas com as ótimas atuações dos atores protagonistas, a emoção, a expressão deles é perfeita em cena e demonstra o que eles sentem, o garoto é fantástico e merece muitos prêmios! Um bom drama, mas faltou como disse acima explicar algumas coisas.

29/02/2016 - Rene (44 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme simplesmente sensacional e que nos mergulha num mundo angustiante e desesperador de uma mãe procurando a todo custo cuidar do seu filho. O desempenho da novata atriz Brie Larson é impressionante e não é a toa que levou para casa a estatueta dourada vencendo o Oscar de melhor atriz. Para mim foi um grande pecado da academia deixar de fora o ator mirim Jacob Tremblay que merecia uma indicação ao oscar. O filme tem momentos tensos, principalmente no primeiro ato o que chega a beirar quase um filme de terror. Vale destaque a cena final do filme que é emocionante. Enfim um filmaço da melhor qualidade e que sem dúvida mereceu a indicação ao oscar de melhor filme.

08/03/2016 - Carla (39 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme maravilhoso e emocionante. O garoto fez toda a diferença. A atriz também é ótima, realmente mereceu o oscar. Recomendo.

09/03/2016 - Bartolomeu P. Borges (61 anos)

  Bom
Denunciar
É um bom filme apenas. Assisti e achei muito exagerado na dramaticidade. Para meu gosto, não mereceria nenhum Oscar. Já vi filmes melhores, e que renderam poucos comentários.

15/03/2016 - Renata (38 anos)

  Regular
Denunciar
Esperava mais desse filme, o início meio monótono, melhora quase no final, se não fosse o garoto seria nada demais o filme.

28/03/2016 - Roberto (36 anos)

  Regular
Denunciar
Boa história e atuações, trama inovadora. Baixa do longa: Não contar a história do criminoso ou ao menos o desfecho do caso.

31/03/2016 - Flavio (38 anos)

  Ótimo
Denunciar
Gostei muito, recomendo. História inovadora, diferente, prende do início ao fim. Atuações explendorosas!

10/04/2016 - Thalys (24 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme é muito emocionante. O triste é saber que na vida real, em algum lugar do mundo existe neste exato momento alguém sobre cárcere privado, igual ou pior do que a história do filme. O Jack emociona do início ao fim do filme, sua atuação foi impecável.

18/04/2016 - Lucas Fera (19 anos)

  Ótimo
Denunciar
Olha, o filme é lindo. Acompanhamos uma mãe que é mantida presa em um quarto junto com seu pequeno filho por um abusador e que com uma arriscada tentativa, consegue escapar. O que destaca na primeira metade do filme é o amor entre a mãe e o filho, mesmo em uma situação ruim. A trilha sonora junto com a fotografia dá um toque mais triste e sensível para as cenas, como as tonalidades das cores. Também vemos a inocência do garoto enquanto vai descobrindo as coisas reais do universo. Logo depois, vemos a dificuldade dele de se adaptar no "mundo real" e sua mãe procurando esquecer o passado e querendo o melhor para o seu filho, e que apesar de estar livre, não se sente livre. Assistam e aproveitem o melhor do cinema.

25/04/2016 - Mateus (24 anos)

  Ótimo
Denunciar
A tempos não via um drama tão tocante. Jacob Tremblay, apenas uma criança, arrasa na atuação. Uma história cruel sob o olhar de uma criança, muito bom mesmo.

25/04/2016 - Mateus (24 anos)

  Ótimo
Denunciar
Só sugiro assistirem legendado. Não cheguei a assistir dublado, mas filmes como esse merecem a voz original dos atores.

27/04/2016 - Luan (19 anos)

  Ótimo
Denunciar
Triste, tenso e realista. Muito bom.

03/06/2016 - Victor (15 anos)

  Ótimo
Denunciar
Difícil fazer um bom comentário sobre alguns filmes. Alguns filmes nos fazem ter vários sentimentos de uma vez, nos faz enxergar coisas que não conseguimos perceber mesmo estando sempre lá. Alguns filmes são tão profundos, são tão tristes, são tão tocantes que não sabemos o que dizer, não sabemos como descreve-lo de forma melhor. Esse filme, é um deles. Abriu meus olhos para diversos tipos de perspectivas que um personagem de uma criança, me fez perceber. Sobre como a vida poderia ser, e sobre como ela é realmente. Há sempre espaços de silêncios que dão margem para interpretarmos a cena da maneira que quisermos. Pra mim, esse filme genial e suas indicações ao Oscar, foram realmente coerentes.

07/06/2016 - Adriano Pedroso (42 anos)

  Ótimo
Denunciar
O Quarto de Jack, é uma aula de como o amor familiar pode vencer as barreiras mais difíceis que a vida coloca em nossa direção. Com uma atuação esplêndida da dupla Brie Larson e Jacob Tremblay, é um dos filmes que mais surpreendeu entre as indicações ao Oscar 2016. O Quarto de Jack promete emocionar bastante. Uma das lindas lições que o filme nos passa é a de que Monstros são grandes demais para existir, principalmente quando temos pessoas que nos amam perto da gente. Não deixem de assistir a esse filme. Belo trabalho.

01/07/2016 - Giba Luna Jr. (51 anos)

  Ótimo
Denunciar
Um filme realista. Um drama de primeira! Muito legal!

30/09/2016 - Sandra (39 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme tocante demais. Fiquei o dia inteiro com essa história na cabeça. Que filme...

11/11/2016 - Wesley LdM (19 anos)

  Bom
Denunciar
Atuações excelentes com roteiro manjado o jack quase nem fica no quarto e o pai da criança desaparece do nada no filme, esperava mais, não é tudo isso que dizem.

09/01/2017 - Vinícius (22 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme muito lindo, vale muito a pena conferir!

08/02/2017 - Paulo Nobre (59 anos)

  Bom
Denunciar
Não sei se é porque já estou um pouco cansado dessa temática ou porque já vi muitos filmes seguindo esse mesmo tipo de história, que só achei esse filme bom, mas não ótimo como a maioria.O filme é uma adaptação do romance homônimo escrito por Emma Donoghue – lançado em 2010. Inclusive ela mesmo foi convidada para fazer o roteiro do filme. A situação lembra um pouco o que aconteceu na Áustria, revelado ao mundo em 2008 (já mostrado em filme) onde uma jovem foi mantida em cativeiro na Áustria pelo pai, inclusive sendo abusada. As atuações do ator mirim Jacob Tremblay e da jovem atriz Brie Larson são boas. Dos 8 filmes que vi com a atriz os únicos que gostei foram O Apostador (The Gambler - 2014) e esse. Enfim é um filme bonzinho. E GOSTO NÃO SE DISCUTE.

08/02/2017 - Renato Pacheco (36 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme interessante, que mostra depois, a adaptação fora do quarto, o garoto da um show.

11/02/2017 - Roberto Lourenço (49 anos)

  Ruim
Denunciar
Comprido e chato, cheio de pontas soltas e perguntas sem respostas. Perdi duas horas de vida.

28/02/2017 - Prpdamiao (69 anos)

  Ótimo
Denunciar
Na parte inicial do filme, a cumplicidade entre mãe e filho atenuando o longo cativeiro. Posteriormente, o choque entre o mundo imaginário e o mundo real vivido pelo garoto, e sua adaptação a esse, assim como a adaptação da mãe após o sequestro. Tudo narrado com delicadeza e sensibilidade pela sra. Lenny Abrahamson (ah! As mulheres...). Com o auxilio luxuoso dos grandes coadjuvantes Joan Allen e William H. Macy os dois protagonistas estão soberbos, Brie Larson, justamente, premiada com o Oscar; Jacob Tremblay, injustamente, esquecido pela Academia.

01/03/2017 - Prpdamiao (69 anos)

  Não vi
Denunciar
No comentário que fiz dia 28.02.17 a respeito do filme O Quarto de Jack, troquei o sexo do diretor Lenny Abrahamson. A ele e aos que acompanham esses comentários, mil desculpas. Continuo achando as mulheres delicadas e sensíveis.

06/03/2017 - Misseno (35 anos)

  Ótimo
Denunciar
Sensacional, nos mínimos detalhes.

18/03/2017 - Thaís (39 anos)

  Ótimo
Denunciar
História triste. Filme tocante. Recomendo!

21/03/2017 - Kayan Gabriel (23 anos)

  Ótimo
Denunciar
Um filme simplesmente MARAVILHOSO, uma história de tirar o fôlego, e nos fazer pensar, e refletir sobre muitas coisas na nossa vida. Um filme que toca no fundo do coração, e mexe com um turbilhão de sentimentos ao mesmo tempo. Uma confissão, " não me aguentei, e chorei ". Lindo, emocionante, sensacional.

29/05/2017 - Bessa38 (78 anos)

  Bom
Denunciar
Um belo filme, tratado com muito carinho e respeito, sobre o amor integral, entre mãe e filho. Muito bem cuidado, sem cair no melodrama, é um filme que prende e surpreende. Gostei demais.

15/06/2017 - Ademar Mateus (45 anos)

  Ótimo
Denunciar
Que filme massa com um roteiro muito interessante e uma atuação brilhante desse ator mirim jacob tremblay.

16/06/2017 - Graziella (8 anos)

  Regular
Denunciar
O filme no começo é sem sentido, depois melhora um pouco, e o fim acaba com muitas duvidas, sem respostas, mas da até para assistir.

08/11/2017 - Sandro Pimentel (36 anos)

  Ótimo
Denunciar
Excelente filme! Muito bem dirigido, uma história emocionante e com boas atuações. Um dos melhores longa de 2015. Recomendo!

02/04/2018 - Robertocarlosm (57 anos)

  Bom
Denunciar
Assisti no canal telecine touch hd, bom, história bem produzida e dirigida, atuações convincentes, cenas de drama bem elaboradas, dublagem nota dez.

30/04/2018 - EddieViana (23 anos)

  Ótimo
Denunciar
Um filme que tinha tudo para ser tenso, mas traz uma experiência bonita ao nos retratar a perspectiva do menino Jack, com todos os traumas sofridos e o mundo novo o qual conhece. Emocionante, consegue segurar a tensão nas cenas do quarto, ainda que com uma certa ingenuidade.

05/06/2018 - Daniel Gulmine (37 anos)

  Ótimo
Denunciar
Ótimo filme, com boas atuações e um enredo que me deixou apreensivo. Faz um paralelo com acontecimentos de cárcere privado longevo que volta a meia se repetem e são surpreendentes.

30/09/2018 - Michael Carvalho Silva (42 anos)

  Não vi
Denunciar
O filme que deu à grande atriz americana Brie Larson o Oscar de melhor atriz antes de Brie se tornar a poderosa super-heroína Capitã Marvel no Universo Cinematográfico Marvel.

10/11/2018 - Augusto (28 anos)

  Não vi
Denunciar
O filme deve ser muito bom, pois é baseado em fatos reais deve ser bem realista.

23/12/2018 - Sander (41 anos)

  Ótimo
Denunciar
Isso que pode ser chamado de filme excelente do começo ao fim gostei mesmo.

23/12/2018 - Anderson (28 anos)

  Ótimo
Denunciar
Eu só não gostei de não ter mostrado uma cena com nick sendo preso, mas enfim muito bom esse filme.

05/02/2019 - Mandy Foster (23 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme lindo e diferente. Recomendo.

08/03/2020 - Robertocarlosm (59 anos)

  Ótimo
Denunciar
Assisti no canal telecine touch hd e revi no supercine na TV globo, muito bom mesmo, história bem produzida e dirigida, atuações bem convincentes, cenas de drama bem elaboradas, dublagem nota dez.

Novo Comentário
Faça seu comentário, mas por favor, siga estas regras:
- Não faça perguntas, faça comentários sobre o filme;
- Não conte o final do filme nem partes importantes para o desfecho, mas se necessário marque o texto;
- Seja objetivo e descreva o porquê de sua nota;
- Se você ainda não assistiu ao filme, dê nota "Não vi";
- Não critique outros comentários, apenas faça o seu, sem preconceitos;
- Se você não gosta deste gênero de filme, é melhor não comentar;
- Comentários que descumprirem estas regras, serão excluídos totalmente.

 Agradecemos a colaboração. Bom uso!

O Texto Contém Spoiter? Sim / Não     Selecione o texto com "Spoiler" e click aqui.

Nome: Idade:  Nota:

Últimos Visitados

O Quarto de Jack (Room)

Copyright © 2020 www.interfilmes.com - Todos os Direitos Reservados. Acesse a Política de Privacidade.