Share on Google+

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

  (Birdman: Or (The Unexpected Virtue of Ignorance))
Sinopse No passado, um ator fez muito sucesso interpretando um super-herói que se tornou um ícone cultural. Entretanto, o tempo passou e, devido a problemas de ego e com a família, a carreira dele sucumbiu. Decidido a recuperar a fama perdida, ele agora se dedica a tirar do papel um musical da Broadway que irá reabilitar sua carreira.

Share on Google+

Informações


Título no Brasil Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)
Título Original Birdman: Or (The Unexpected Virtue of Ignorance)
Ano Lançamento
Gênero Comédia / Drama
País de Origem EUA
Duração119 minutos
Direção
Estreia no Brasil 29/01/2015
Estúdio/Distrib. Fox Filmes
Idade Indicativa 16 anos

Elenco


... Riggan
... Sam
>> Ver todo o Elenco...

Trilha Sonora


“Birdman Blind Melody”Composta por Joan Valent
“BeBirdman”Composta por Joan Valent
>> Ver toda a Trilha Sonora...

Trailer



Comentários


16/01/2015 - Nilson Jr. (50 anos)

  Regular
Denunciar
O diretor consegue, em seu teatral e orquestrado modo de filmar, criticar diversas questões: Indústria cultural, blockbuster, espetacularização nos dias atuais, o entretenimento norte-americano e até a crítica profissional, o roteiro é inteligente e Keaton faz o seu papel brilhantemente, mas como diversão e entretenimento foi uma lástima, a trilha sonora da bateria seca está ecoando até agora em meus ouvidos, a inserção do surrealismo nos devaneios do personagem só acrescentou o desafio de saber qual o g~enero do filme. Como o roteiro é inteligente, a crítica profissional vai amar, admiro um roteiro criativo, mas se não me divertir ou entreter...

19/01/2015 - André Brighi (29 anos)

  Ótimo
Denunciar
Olha... Realmente "Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) " é um excelente filme de comédia dramática. Não à toa faturou 2 Globos de Ouro e ainda concorre à 9 indicações ao Oscar 2015. O enredo é extraordinário e as atuações são um capítulo à parte. Michael Keaton está impecável e na minha humilde e leiga opinião, merece o Oscar de "Melhor Ator". Edward Norton também rouba a cena, e provavelmente não levará a estatueta de "Melhor Ator Coadjuvante" por causa de JK Simons, que brilha em "Whiplash". A jovem e talentosíssima Emma Stone (que também concorre aos Oscar) e a já consagrada Naomi Watts completam este elenco sensacional. A direção de Alejandro González Iñárritu, que também já produziu outra obra de arte intitulada "Babel" (2006), merece todos os aplausos. Assim como também merece sua indicação ao Oscar. Recomendo, sem dúvida alguma!

21/01/2015 - Gagarin (40 anos)

  Ruim
Denunciar
Indicado ao melhor filme esse ano? Inacreditável!

23/01/2015 - Lucas Fera (18 anos)

  Bom
Denunciar
A trama do filme começa bem e, aos poucos, vai perdendo o ritmo, deixando um tanto monótono, mas não perde o foco principal. O que mais destacou foram as atuações de Emma Stone - que esta se encontra diferente das interpretações de seus outros filmes - e Edward Norton. Mas Michael Keaton também agradou. O filme levanta diversas questões das produções norte-americanas dos dias atuais, e a personagem de Keaton, Riggan, é ao mesmo tempo surreal, fugindo da realidade para lembrar de novo seu personagem mais bem sucedido de sua carreira, o Homem-Pássaro, dando a ele possibilidades de fazer o que o torna melhor.
Gostaria de deixar esse comentário para um dos maiores críticos do site, o Sérgio Sarmento. Se o senhor estiver lendo isso, gostaria que lesse minha crítica e que desse uma opinião. Eu tento deixar ela boa, mas não escrevo tão bem. E o senhor é especialista em escrever críticas, tanto é que acompanho as suas críticas de vários filmes e acho elas muito boas. Por favor, me responda.

26/01/2015 - João Paulo (24 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filmaço, daqueles que te prende do início ao fim, mais pelas performances e pela produção incrível é claro. Iñarritu não esconde que fez a mesma escola que Cuáron, com estilo de filmagem que tem planos bacanas quase sem cortes, dando ao espectador a dimensão do teatro e dos bastidores da peça encenada no filme, outra qualidade é a câmera próxima ao rosto dos personagens pegando cada emoção de seus rostos, . O elenco é um caso a parte, mas se destacam realmente Michael Keaton (sumido, mas que agora voltou com tudo) numa performance visceral, excêntrica, profunda e ao mesmo tempo hilária, ele representa muitos atores hollywoodianos que a todo tempo tentam provar que podem atuar em papéis diversificados e é claro conseguir um papel que deixará marcado na história e tirá-los das sombras de um sucesso do passado. Outra ótima performance é de Edward Norton, o cara rouba várias cenas com mérito, ele e Keaton em cena é excelente, assim como Emma Stone que também entrega uma ótima performance. Enfim Birdman é um filmaço, mistura muito bem a crítica ao cinema e teatro trazendo o realismo fantástico na medida, cheio de ótimas atuações, trilha sonora excelente, fotografia magnifica e direção impecável, o filme de longe é um dos melhores do ano passado. Recomendação máxima. Obs: Um filme cheio de belas mulheres, além de Emma Stone, temos as lindas Naomi Watts Amy Ryan e Andrea Riseborough.

27/01/2015 - Samuel Marini (31 anos)

  Bom
Denunciar
Gostei, todos os atores são bons. O filme me fez lembrar muito "Instinto secreto", a diferença é que o personagem principal não comete crimes. O final fica por inferência de quem assiste. Um drama com uma dose certa de comédia.

30/01/2015 - Sérgio Sarmento (60 anos)

  Ótimo
Denunciar
Assisti nesta tarde NO CINEMA quando tivemos sua estreia no Brasil. Olha! Que obra maravilhosa! Posso dizer das melhores que já assisti e assistirei ao longo da graça de 2015. Mas todos estarão a se perguntar o por quê do meu entusiasmo? Começo a dizer que é filme que solidifica muitas verdades para quem adora e por conseguinte conhece uma obra de rara exceção. Para começar somos levados em falar do diretor mexicano Alejandro González Inarritu. Com esse filme Birdman ele completa seu quinto longa. E todos assisti EM CINEMA. Portanto tenho uma visão total de sua obra. E, ainda, é sem dúvida o mais norte americano dos diretores mexicanos. Com isso quero dizer que o cara parece ser estadunidense, pois conhece muito bem os problemas do sistema capitalista deles. Já no ano 2000 lançava Amores Perros (no popular amores cachorros). Ali tivemos o primeiro contado de alguém diferenciado. Seu último filme Biutiful (2010) que assisti em fev/2011. Um filme triste, pessimista e de um ceticismo beirando em um niilismo de dar medo mesmo. Sai do CINEMA com mais perguntas do que resposta. Mas com esse Birdman o diretor Alejandro consegue fazer seu melhor filme. Isso não tenho dúvidas! De prima notamos seu jogo de câmara perfeito. Filmando muito com a maquina de mão. Muitas vezes pelas costas dos personagens. E naqueles corredores longos e vazios. Como a querer dizer, falar das coisas insignificantes e que damos valor. Faz, além disso, uma critica mordaz para industria do entretenimento. Faz critica para Hollywood. Como é filme que se passa em um teatro não poderia deixar de falar e critica a " dona " Broadway. É filme singular, pois mostra através do cinismo e da comédia as grandes verdades. Fala que a fama poderá ser efêmera. Em um roteiro original genial feito a oito mãos. Com uma belíssima fotografia e um som absolutamente perfeito. Mas a grande sacada do filme é seu elenco. Sempre defendi que um bom diretor necessariamente seu elenco sempre rende. E não é que mais uma vez acertei! Todos estão muito bem! Além de Emma Stone e Edward Norton que são candidatos ao Oscar de melhores atores coadjuvante em suas categorias. Mas o grande nome do filme é sem dúvida Michael Keaton. O filme é dele! Isso ninguém pode dizer o contrário. Bem! Assisto filme deste cara há mais de trinta anos. E nunca assisti ele tão bem! Mas convenhamos ele jamais teve um roteiro dão propicio para desenvolver todo seu talento. Mesmo não assistindo dois dos cinco atores indicados. Posso dizer que o Oscar de melhor ator é de Michael Keaton. O cara com certeza merece. Enfim! Vou ter que cair no lugar comum e dizer que o filme Birdman enaltece uma arte chamada CINEMA. Que coisa mais admirável! Ah! Não poderia deixar de responder tão amável pergunta de um jovem chamado Lucas Fera de 18 anos. Em primeiro lugar desculpe não responder antes. Só o fato de você ter perguntado tal coisa para mim prova que você é uma pessoa muito promissora. É claro que gosto e acompanho teus comentários. Você se continuar assim, com certeza, vai dar muito orgulho para seus pais. Só tenho um diga para você. Leia muito! De preferência os livros clássicos. Posso até indicar! Mas podes pedir ajuda para um professor bem deslocado. Esse são os melhores! Leia bastante revistas semanais. Escolha uma boa! Eu por exemplo sou assinante há mais de 40 anos da VEJA. E leia todas as criticas de CINEMA após assistir os filmes. Isso é fundamental. Assim vai ter SEMPRE a primeira leitura que no caso é a sua própria. Desculpe! Mas vou pedir para você dois comentários de filmes que, ainda, não consegui ler de sua pessoa. Os filmes são Interestelar e Êxodo: Deuses e Reis. Os filmes de maior polêmica do site no ano passado. Faça isso portanto. No mais sempre me queira bem. Pois nada da cultura humana me é indiferente! Mas principalmente sou da paz. Forte abraço Lucas Fera!

31/01/2015 - Lucas Fera (18 anos)

  Ótimo
Denunciar
Obrigado por me responder, Sérgio E obrigado pelas dias. Aliás, esses dois filmes que o senhor citou (Êxodo: Deuses e Reis e Interestelar) já estão na minha lista de filmes que preciso assistir. Um grande abraço.

02/02/2015 - Mimexx (29 anos)

  Regular
Denunciar
A mensagem do filme é legal, mas é um filme chato de se ver...

03/02/2015 - Rene (42 anos)

  Bom
Denunciar
Acabei de assistir Birdman e gostei do filme, claro que não é para qualquer público, mas os amantes do cinema provavelmente vai admirar essa obra. O filme na sua temática faz uma crítica sobre os blockbusters e suas celebridades, diferencia a arte do entretenimento vazio e aborda aspectos conflitantes da vida dos autores. Vale ressaltar a atuação de Michael Keaton que é um espetáculo a parte e sem dúvida um dos favoritos ao oscar. Com relação ao resto do elenco, Emma Stone e Edward Norton estão ótimos e merecem as indicações de coadjuvante. O que também me impressionou e a técnica do diretor mexicano e o seu manuseio fascinante da câmera. Enfim um bom filme que repito não é para qualquer gosto, ele realmente é um pouco parado, mas nem por isso não deixa de ser uma aula de cinema.

04/02/2015 - Renato S (31 anos)

  Péssimo
Denunciar
Comecei a ver o filme e abandonei depois de meia hora. Não deu. Muito chato.

06/02/2015 - Flavio Brendler (45 anos)

  Ótimo
Denunciar
Psicodélico! Não é filme pra todos os gostos. Deve ser assistido com calma e atenção. Desta forma o filme te prende e se torna deslumbrante.

06/02/2015 - Ortiz (49 anos)

  Ruim
Denunciar
Os atores e a filmagem são ótimas, mas este filme não me despertou qualquer tipo de emoção; eu achei muito filosófico.

07/02/2015 - Lindomar (38 anos)

  Péssimo
Denunciar
Realmente não pra assistir este filme, muito chato. Não cheguei nem na metade e desisti. E outra coisa que observei no início do filme o diretor usou somente uma câmera o tempo todo. Será faltou grana pra fazer o filme?

07/02/2015 - Zizu (31 anos)

  Regular
Denunciar
Sinceramente, conceituo "Birdman" como um filme regular. Com excelentes atuações por parte de todos os atores, sem sombra de dúvidas, "Birdman" faz uma crítica ao cinema americano e à tão conhecida Broadway de uma forma leve e muitas vezes irônica, tendo como principal protagonista Michael Keaton, tão lembrado no seu papel como o herói Batman de 1989, e que parece se identificar muito com sua carreira neste filme, já que o ator passou por um longo período ofuscado, infelizmente vítima de roteiros que não engrenaram. Neste filme, Keaton parece por si só chamar a responsabilidade e erguer-se, apresentando algumas passagens interessantes, mas com o passar do mesmo fui gradualmente perdendo o interesse, tornando-se monótono e com uma trilha ao fundo de bateria que não aguentava mais ouvir. O mesmo já deixa claro seu propósito em 1 hora de filme, mas parece que faltou inovar da metade pro final, exceto na última cena. Enfim, é um filme inteligente com excelentes atores, mas acredito que a história por si só não foi suficiente para entreter. Ter Michael Keaton como protagonista foi a grande tacada do diretor e o ponto mais forte do filme. Se quiser assistir no cinema como uma forma de diversão ou entretenimento, não recomendaria. Regular. Sem mais comentários. Nota: 6,0.

08/02/2015 - Thiago Jefferson (25 anos)

  Ruim
Denunciar
Filme muito fraco, não acrescenta em praticamente nada. Só gostei de uma cena no filme inteiro. Perda de tempo.

09/02/2015 - Michael Nataly (26 anos)

  Regular
Denunciar
Não sei ainda meu sentimento sobre esse filme, só que ele é uma dura critica a filmes holiudianos que só querem faturar e só fazer roteiro pra vender, mais o filme em si e fraco acho muito pra um filme ser indicado ao oscar gostei do filme que tem pouca cenas cortadas, as cenas são continuas... Enfim não vale isso tudo de indicação ao oscar. Nota 6.0.

10/02/2015 - Ivan Nagy (43 anos)

  Ótimo
Denunciar
Magistral atuação de Keaton. O personagem transcende o personagem e o ator. Keaton está em sua fase mais brilhante. Chegou ao ápice, e, com louvor. Uma obra-prima para ser assistido por quem gosta de drama. Pois o filme é pesado e não mantém um ritmo capaz de segurar os menos impacientes. O roteiro é sensacional, e, o desfecho consegue o seu Gran Finale, sem ser apelativo. Mesmo não sendo um fã fervoroso de Drama, me curvo a esse magnífico filme. Keaton leva o Oscar. Se não, já não entenderei o que é ser merecedor. Nota 10.

10/02/2015 - Eduardo B. de Morais Lima (18 anos)

  Regular
Denunciar
Filme regular, tanta gente elogiando, e dando nota 10, nossa, não é pra tanto, ele é legal, mas teve cenas desnecessárias, de verdade... Enfim, nota 6...

11/02/2015 - Ricardo (36 anos)

  Regular
Denunciar
A intenção do filme é muito bacana, mas o filme em si é bem chato de assistir.

13/02/2015 - Chivas (45 anos)

  Regular
Denunciar
Deste mesmo diretor, babel foi muito melhor...

14/02/2015 - Paulo Roberto (28 anos)

  Bom
Denunciar
É um filme sobre cinema e atores em decadência, o que acontece muito em Hollywood, não é ação ou um filme de super heróis. Se for assistir pensando nisso vai se arrepender. Gostei pela atuação de Keaton, mas possui cenas dispensáveis ao meu ver.

17/02/2015 - Lautner Angelov (22 anos)

  Ótimo
Denunciar
Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), é obra peculiar. Sabe a frase "ame ou odeie"? Então, Birdman é isso. Uma metalinguagem crítica cheia de analogias, ambiguidades e um drama de humor negro melancólico. Isso mesmo - melancólico! Riggan é um ator que no passado interpretou um personagem icônico - Birdman. Com o passar dos anos a carreira - por inúmeros motivos - sucumbiu. A similaridade do personagem interpretado por Michael Keaton é bem interessante, não é que ele, o próprio, também interpretou um super-herói - Batman (outra curiosidade - o metódico personagem Mike Shiner é uma paródia do Edward Norton ironicamente interpretado por ele). Enfim... Birdman vai além! O notável Alejandro González Iñárritu - de todas as maneiras tenta mesclar críticas e, também, alavancar um "debate" sobre o momento cinematográfico e seu modismo. Não para por aí, Iñárritu coloca a Broadway no "mesmo saco" - insinuando que assim como em Hollywood, no fim das contas, é um negócio. Fala também sobre a (des) ilusão do sonho de atuar na Broadway e toda a exigência da constante elevação artística. Em contrapartida, mostra de maneira instigante os bastidores do teatro, também as relações e todas as dificuldades que englobam a produção de uma peça (Iñárritu visivelmente valoriza o formato dessa arte). Outro ponto interessante é que o diretor ainda tem a sensibilidade de mostrar a "realidade" e humanizar as celebridades, aqui, atores através de nuances do dia a dia e das dificuldades da vida (isso porque normalmente colocamos celebridades em um pedestal, idealizado-o de maneira complexa e inumana). Há referências e analogias quase que em todos os diálogos sobre o mercado cinematográfico contemporâneo, fala sobre o poder da internet e a capacidade de transformar um desconhecido em alguém famoso... Agora, Iñárritu tocou em um ponto essencial hoje em matéria cinematográfica e, acho, que de alguma forma atingiu alguns críticos especializados de uma ou de outra maneira, ou seja, Iñárritu critica também o "poder" que o crítico tem em determinar o que presta ou não e se será um sucesso ou fracasso, ainda insinua as pessoas que são induzidas e se deixam levar pela análise e o julgamento deles. Enfim, Birdman mais parece um stand up técnico e ambicioso, por sua excentricidade e pelo excesso de expressões sem pausas, aliás, a película é executada em um plano sequência, quase não se percebe cortes de uma cena a outra. Além do subtexto sensacional e do elenco, vale um destaque à fotografia e também à trilha sonora composta por solos de bateria e uma (ou duas) músicas (jazz). Ao fim, o que se conclui da melancolia vivida por Riggan Thomson é de que, ele, em meio ao marasmo em que se encontrava, teve a convicção de que precisava ser notado e ter novamente fama, e por isso ele acabou ultrapassando todos os (seus) limites para preencher o vazio existencial que tomou conta do seu psicológico. Fica claro que a fama é algo passageiro e completamente relativo. A conclusão do filme envolveu sacrifício pessoal - Riggan encontrou um novo significado para a sua vida dessa maneira (aceitando quem ele realmente era), a persistência o fez realizar tal ato. Relevando ainda a insanidade e os superpoderes de Riggan, por exemplo, o de "voar", o único corte perceptível da obra, os aplausos da plateia e, principalmente, a reação estranha da filha dele - de satisfação e não de desespero, foi de que realmente ele cometeu o ato extremo em público e que ambos, pai e filha eram...? A última crítica da obra e que a conclui de maneira eficiente é a seguinte - vivemos numa época onde o público ama ação, clamam pelo realismo e sangue - nada melhor que se matar ao vivo para chamar atenção da massa e prestígio do público e mídia, afinal, quando uma pessoa escrachada se vai, vira ídolo (é o sonho de Riggan se concretizando). Portanto, Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) é um filme complexo e cordial, há referências musicais, cinematográficas, literárias e ainda por cima, a experiência é ambígua dificultando um pouco mais à "compreensão". Enfim, é mais uma obra notável do Alejandro González Iñárritu, e, sinceramente, é um dos melhores filmes que já assisti.

18/02/2015 - Pedro (18 anos)

  Ótimo
Denunciar
O filme é simplesmente incrível. O jeito como ele é conduzido com tantas cenas sem cortes, a atuação de Keaton e dos outros atores. É incrível como uma história tão madura se passa na localidade de um quarteirão, em sua maioria dentro de um teatro. Um filme que não é pra qualquer público. A massa vai reclamar que ele é chato e parado... Uma besteira completa. O filme tem sucesso em mostrar e te deixar preso e interessado na psicologia e questões dos personagens, principalmente do personagem de Keaton. Grandes filmes são sim obras de arte sem terem o fator blockbuster. Filme incrível.

20/02/2015 - Julio Simi Neto (58 anos)

  Bom
Denunciar
Surpreendente atuação do até então fraco Michael Keaton, ele merece ser indicado ao Oscar deste ano na categoria de Melhor Ator. O filme "Birdman" que tem um início complicado, basta aguardar um pouco, pois logo vai se tornar um inteligente e ótimo filme para quem realmente curte cinema. O roteiro é super legal ao misturar egos, obsessão, medo e vaidade. Quanto a filmagem ele é perfeito, pois praticamente não tem externa. Tudo é rodado dentro dos estreitos corredores de um teatro, seus camarins e não cansa. Com belo jogo de cores, trilha sonora na base de apenas uma bateria, a câmera sempre agitada e closes certos, "Birdman" superou as expectativas. Vale a pena conferir.

21/02/2015 - Lucia Maria Miranda (62 anos)

  Regular
Denunciar
... Bom, acho que a ignorância é mesmo virtude porque a minha não suportou mais do que uns 45 minutos de filme e vejam que eu tive imensa boa vontade! Todavia, achei o filme chato, maçante, aqueles surtos do ator Keaton como Riggan Thomson acabaram me dando sono e eu que não vejo graça alguma no Norton, agora é que piorou de vez. Se vai ganhar Oscar, se é realmente o filme da vez, eu sinceramente que não endosso, porque de fato não gostei.

21/02/2015 - Wilson (43 anos)

  Bom
Denunciar
Ao meu ver, foi o filme sobre a vida de Michael Keaton. Um ator que teve seu sucesso e depois caiu no ostracismo. Mostra sua redenção através deste. Uma atuação simples, mas intensa. Cenas sem cortes que impressionam. Achei uma ótima sacada de Iñarritu. Gostei.

21/02/2015 - Ryan (33 anos)

  Bom
Denunciar
O filme começa chato depois melhora. É bem diferente e chega a ser meio doida essa obsessão por uma carreira artística de prestigio, após a experiência de ter tido um passado de glória. Assisti a todos os filmes do Oscar e como sempre, será uma caixinha de surpresa.

22/02/2015 - Wanderlei (30 anos)

  Ótimo
Denunciar
Simplesmente fenomenal! O humor negro desse filme é um deleite para os olhos, interpretações magnificas de todo elenco, não consigo imaginar outro ator que não seja michael keaton interpretando esse papel, o filme é praticamente a vida dele! A direção genial nos mostra os bastidores do teatro, seus corredores e personagens, a podridão vista através de uma porta entreaberta ou atrás das cortinas... De todos este com certeza é meu predileto ao oscar!

22/02/2015 - Rudrigui (32 anos)

  Bom
Denunciar
Olha... É um negocio bem artístico, bem inteligente... O pessoal da crítica e do oscar deve ter adorado... Como peça critica filmada é interessante, prende a atenção... O drama é bacana e algumas partes eu gargalhei... Mas como filme e entretenimento não acho que consegue alcançar todo mundo... Se beleza americana, paciente inglês e o discurso do rei, fora o péssimo guerra ao terror, ganharam oscar de melhor filme porque esse não ganharia? Esse se enquadra como o típico filme

23/02/2015 - Lucia Maria Miranda (62 anos)

  Regular
Denunciar
... E Birdman que confesso venceu até a minha paciência e não sei bem como e nem de qual jeito nos leva a querer fugir da frente da tela, ganhou por melhor filme com a desejada estatuetazinha do Oscar. Quem sabe se eu tiver assimmm muita coragem eu consiga ver de novo e apreender como Iñarritu conseguiu tal proeza.

23/02/2015 - Galindo de Lobo (51 anos)

  Ótimo
Denunciar
As ultimas edições do Oscar foram fracas, mas como alguém tem que vencer a cada ano então ai vai a estatueta para Argo, Guerra ao Teoor, Beleza Americana, Paciente Inglês e o tal Discurso do Rei. Enfim, este último Oscar de 2015 foi diferente, tivemos ótimos candidatis ao Melhor Filme e venceu Brdman, para mim perfeito, um filmão para poucos.

23/02/2015 - Clóvis (55 anos)

  Péssimo
Denunciar
Muito blá blá blá sem sentido.

23/02/2015 - Cris (33 anos)

  Péssimo
Denunciar
Não consegui assistir inteiro...

24/02/2015 - Ricardo (44 anos)

  Péssimo
Denunciar
Porcaria... Sem pé nem cabeça.

24/02/2015 - Saulo (34 anos)

  Péssimo
Denunciar
Não sou de comentar muito sobre os filmes, mas consegui aguentar 45 min de filme, e achei uma perda de tempo total, como não entendo nada de oscar, sei lá o que acharam de bom nesse filme horrível.

26/02/2015 - Fabiano José Palaveri (37 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme para quem tiver um QI menor do normal, irá achar um filme chato, sem pé nem cabeça, porém o filme conta, como muitos de nós agimos no dia-dia e de diante da nossa vida, a vida não gira apenas em torno de nós mesmo e sim, o mundo gira para todos nós, o ego é um dos maus do ser humano, atuações fascinantes e o lance de parecer que o filme foi executado num take só, é impressionante, bem diferente do que costumamos ver por aí.

27/02/2015 - Reginaldovendrametto (40 anos)

  Ruim
Denunciar
Como pode um filme deste vencer o oscar! Eu particularmente não vi tanto por merecer, mas, há vários ângulos de visões...

02/03/2015 - Felipe Hudh (29 anos)

  Péssimo
Denunciar
Lixo lixo lixo não perca seu tempo.

03/03/2015 - Fã de Cinema (39 anos)

  Regular
Denunciar
Chato na primeira meia hora, vai ganhando sentido depois. Pode ser interpretado de várias formas: os papéis que a vida nos dá e nos recompensa, embora não gostemos; crítica à onda de filmes de super heróis e de ação exagerada, não importando muito uma boa história e a arte da expressão de cada artista. O ator convence, mas não é daqueles que dá vontade de rever.

03/03/2015 - Vinícius (22 anos)

  Ruim
Denunciar
Anteontem, depois de assistir o filme, ao sair do cinema, fiquei pensando “por que esse filme tinha vencido Oscar de Melhor Filme, mesmo, para mim, seus alguns concorrentes são ótimos filmes foram tantos ótimos do que esse filme, como Sniper Americano, A Teoria de Tudo, O Grande Hotel Budapeste até favorito Boyhood”. Com todo o respeito, parece que esse filme foi feito para ser assistido por pseudointelectuais (quem que finge ter um intelecto que não tem) e pessoas que abraçam a modernidade ridícula, além de ser criado e produzido por pessoas que sabem muito mal do significado de cinema através da verdadeira arte. Apesar disso, mesmo eu respeito as opiniões ou comentários que veem dos cinéfilos favorecem ou positivam esse filme. Pelo menos, há duas coisas que eu gostei desse filme foram ótimas atuações de todo o elenco e trilha sonora.

09/03/2015 - Arlene Leandro Coelho (45 anos)

  Regular
Denunciar
Grandes atores, ótimas interpretações, sim, mas eu me fiz uma pergunta, várias vezes, : " Que raio de filme é esse?".Não me prendeu, não criou expectativa, me deu até uma certa fobia, aquele tipo de filmagem, enfim, não gostei.

09/03/2015 - Henrique (57 anos)

  Ruim
Denunciar
Que porcaria de filme, será que assisti ao mesmo filme que todos aqui, personagem totalmente chato (quase bizarro),diálogos sem noção, aquelas apresentações teatrais eram de doer rsrs, e ainda ganhou o Oscar, que desperdício de tempo e tudo mais.

15/03/2015 - Jr Brasil (32 anos)

  Péssimo
Denunciar
Realmente esse filme não merecia o oscar. Será que é porque os outros filmes eram independentes. Esse filme é muito cansativo, muito parado e não achei o ator com grande atuação. Não recomendo. Tinha filmes muito melhores.

15/03/2015 - Leonardo F. Barbosa (24 anos)

  Ruim
Denunciar
Chegou a me dar dor de cabela. É engraçado ver o pessoal que gostou dizer que quem não gostou tem QI baixo... Ahh, não me venha com essas, o filme até faz uma boa crítica, mas no todo é bem chato.

18/03/2015 - Gustavo (24 anos)

  Péssimo
Denunciar
Pior filme que vi em 2015.

20/03/2015 - MOliveira (52 anos)

  Ruim
Denunciar
Me considero um cinéfilo eclético. Se é bom, estou dentro, independentemente do gênero. Mas me perdoem, mas esse filme é ridículo! Não percam o tempo de vocês! Como já disse alguém aqui: É coisa para PSeudo-Intelectuais! Ruim é pouco pra ele! Sabe quando você vai a uma galeria de arte e vê um daqueles quadros

23/03/2015 - Rodrigo de Bona (30 anos)

  Ótimo
Denunciar
Excepcional! As notas ruins devem ser de pessoas acostumadas com clichês e não entenderam a beleza dessa obra. Tudo é muito bem bolado, desde a estória, atuações, câmeras, trilha... Quando procurei pelo filme no site vi apenas "3 estrelinhas" e não acreditei. O filme tem suas duas horas que passam sem a gente se importar com o tempo. Fiquei impressionado com o entrosamento de todos do elenco junto com a direção. Foi tudo muito perfeito mesmo! Assisti esse filme antes do Oscar 2015. Assim que terminei de assisti-lo, não tive dúvidas que Michael Keaton iria vencer como melhor ator, mas o mesmo foi muito injustiçado ao não receber o Oscar, não desmerecendo os outros candidatos. Benedict Cumberbatch no Jogo da Imitação está muito bem assim como o vencedor da estatueta Edie Redmayne em A Teoria de Tudo. Fica a dica para você que não curte o convencional... Birdman é louco e brilhante!

23/03/2015 - Janete Clair (48 anos)

  Bom
Denunciar
Os amigos que não gostaram do "Birdman" entendo, agora aqueles que deram nota 10 é porque sabem separar o arroz do trigo. "Birdman" é um filmão, um filmaço para poucos e mereceu com justiça do Oscar que levou.

30/03/2015 - MaVeRiCk_22_RapTor (27 anos)

  Regular
Denunciar
Não achei chato, mas também não é um filme que vou querer rever.

05/04/2015 - Gabriel Silveira (31 anos)

  Bom
Denunciar
Muito bom. Genial direção e filmagem. Não tem uma trama tão interessante, mas no geral é top.

08/04/2015 - Kadu (40 anos)

  Bom
Denunciar
Não fosse a ótima atuação de Michael Keaton o filme seria, na minha opinião, um desastre.

22/04/2015 - André (35 anos)

  Péssimo
Denunciar
Muito ruim. Perdi 2 horas da minha vida! História sem história, tudo misturado, nada a ver.

02/05/2015 - Bernardo (61 anos)

  Péssimo
Denunciar
Tenho a impressão que já estão dando o Oscar para o pior filme, porque ultimamente fazer filmes ruins passou a ser normal. Filme e filme com começo meio e fim e história boa e pronto; o que estiver além disso, e auto filme, ou seja o autor fez para satisfazer ele mesmo e nem a sua própria família gosta.

19/05/2015 - Paulo Meiras (50 anos)

  Regular
Denunciar
Egotrip do diretor. Tem um joguinho de cortes não lineares metalinguagem que lhe dá um ar moderninho e pseudocult. Caras e bocas de Emma Stone, que que é aquilo?, renderam a ela uma indicação absurda ao Oscar. Vai entender. Michael Keaton encarna bem o papel e é o diferencial, puxa o filme pra média. Mas ganhar o Oscar? Nada a ver.

05/07/2015 - Fabiokubrick (35 anos)

  Bom
Denunciar
Um filme para poucos, mas entendo os que não gostaram.

13/07/2015 - Tchesco (25 anos)

  Ótimo
Denunciar
Gostei de todos os trabalhos do diretor e esse também não poderia ser diferente, relata os bastidores da fama o lado sombrio e real, todo o elenco ta demais o filme não difere real do surreal com um final discutível espetacular embora triste desfecho! Pelo drama me fez lembrar até de um filme que assisti a muito tempo Crepúsculo dos Deuses também é excelente fica a dica glr.

15/07/2015 - João Bernardo (34 anos)

  Ótimo
Denunciar
Louco e ao mesmo tempo brilhante e vibrante. Uma critica de que é um SOCO NA CARA dos bastidores da fama, pois com certeza, Michael Keaton (que foi o melhor Batman da geração antiga (1989-1997) identificou-se com o personagem, dando ainda mais realismo em sua atuação, más como o Oscar privilegia premiar atuações em filmes biográficos, foi assim com Jimmie Fox em Ray (2004) vencedor como melhor ator, Hellen Mirren em Rainha (2006) como Elizabeth II, Meryl Streep como Margareth Tachear em a Dama de Ferro (2011) só citando alguns exemplos recentes, além da competente atuação de Edie Raymone, pesou bastante o fato de o filme homenagear um dos homens mais brilhantes (ganhou o Prêmio Nobel) da Física em todos os tempos. Más sim Birdman ganhou 4 Óscares, sendo os 2 principais (MELHOR FILME e MELHOR DIRETOR para Alejandro González Iñarritu) isso já derruba qualquer argumento contrário, a esta obra-prima do cinema independente.

19/07/2015 - José Alberto (48 anos)

  Ótimo
Denunciar
Filme fantástico. Com certeza não são todos que irão gostar. É um pouco denso, faz crítica próprio cinema, mostra o conflito entre os atores e temos a impressão de que foi feito todo em um único plano sequência, quase não percebemos os cortes na filmagem. Outro destaque interessante é a música, ouvimos apenas uma bateria crua marcando os momentos de tensão do filme. Todos o atores estão ótimos principalmente o Michael Keaton. Mereceu ganhar os Oscars de melhor filme, diretor, fotografia e roteiro original. Assistam!

20/07/2015 - Jonatã Cerdeira (33 anos)

  Ruim
Denunciar
O filme é ruim e cansativo. Não perca seu tempo! Horrível!

30/11/2015 - Odair (42 anos)

  Ruim
Denunciar
Já não gosto muito do ator Michael Keaton e este filme consolidou isso. Filme bem ruizinho... Não recomendo.

11/02/2016 - Bessa38 (77 anos)

  Regular
Denunciar
Não foi a primeira e nem será a última vez, que dois ou mais roteiristas, nesse caso, quatro, vão acabar criando um balaio de gatos em que se transformou essa película. Ver arte, numa direção deste super badalado diretor, é qualquer coisa de alucinante. Dá para se distrair, à espera que com o desenrolar do filme, as coisas se clarearão, mas que nada, fica tudo numa bagunça de fazer com que somente os superdotados, possam ver mérito nisso.

18/02/2016 - Sandro Pimentel (34 anos)

  Regular
Denunciar
Esperava mais do filme... Mesmo assim é imperdível. Excelente a atuação do Michael Keaton. Muito doido! Destaque também para a trilha sonora, de muito bom gosto.

13/03/2016 - Kassio (18 anos)

  Bom
Denunciar
Esperava mais, meio delirante, mas uma ótima fotografia e um jogo de câmera diferente dos outros filmes, um elenco estelar, numa história inovadora;

25/03/2016 - Mrc (44 anos)

  Bom
Denunciar
Ótima produção. Porém, um pouco mais de tempero deixaria a história e a interpretação dos atores melhores.

23/06/2016 - Wesley LdM (18 anos)

  Péssimo
Denunciar
Um dos piores filmes de todos os tempos ganha o oscar de melhor filme do ano é mais uma prova que não se deve levar a sério a academia.

21/07/2016 - Fvfraga (30 anos)

  Ótimo
Denunciar
‘BIRDMAN’ – CINEMA ARTE VERSUS CINEMA ENTRETENIMENTO
[[[parágrafo]]]'B irdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) ' filme com o qual o diretor mexicano Alejandro González Iñárritu venceu o Oscar 2015, nas categorias Melhor Diretor e Melhor Filme, é uma crítica explícita às adaptações de quadrinhos que se proliferaram em Hollywood nos últimos anos (você pode encontrar nossa crítica do longa-metragem, publicada na época da estreia, neste link: 'Birdman': crítica). Em seu discurso, ao receber o prêmio de direção, o cineasta falou sobre a “verdadeira arte”, reacendendo uma discussão antiga entre o “cinema arte” e o “cinema entretenimento”. Essa já é uma briga de longa data, que começou antes mesmo do advento do cinema, provavelmente desde que se iniciou a produção de uma “cultura de massa”, através de uma “indústria cultural”. [[[parágrafo]]]Essa cultura de massa, mais conhecida como cultura popular ou “pop” já passou por todo tipo de análise e discussão nos meios acadêmicos, abordadas por intelectuais como Theodor Adorno, que foi um dos cunhadores do termo “Indústria Cultural” e afirmava, entre outras coisas, que “o valor crítico dessas formas artísticas é neutralizado por não permitir a participação intelectual dos seus espectadores”. Hannah Arendt, em ‘A Crise da Cultura’, disse, que “tópicos ‘tépidos, suaves e sem sentido’ estão se tornando a norma”). Também, Noam Chomsky, considera que “a massificação da cultura se dá através de um artifício totalitário, servindo a interesses econômicos”, entre outros inúmeros pensadores que abordaram e ainda estudam o tema. Sobre a briga “arte falsa versus arte verdadeira” ou “cultura ruim versus cultura boa”, durante a história das artes, o teatro já foi considerado um tipo de arte “menor”, por adaptar textos escritos para um público “iletrado”. O trabalho de atores, no início do cinema, já foi considerado inferior ao dos atores de teatro, como os das cobiçadas peças da Broadway. Da mesma forma a música popular sempre foi depreciada em comparação com a música clássica, assim como os quadrinhos em relação a literatura de prosa e poesia. [[[parágrafo]]]Ainda que geralmente as críticas questionem a “qualidade artística”, o maior problema da cultura de massa, apontado por intelectuais de todas as áreas, como sociólogos, filósofos, pesquisadores de estudos culturais, entre outros, é quanto ao caráter social, padronizador e alienante deste tipo de arte. Ao que tange aos filmes de quadrinhos, o público geralmente está mais interessado em um entretenimento escapista, onde o visual e os efeitos especiais são a atração principal, mesmo considerando que esses longa-metragens estejam tentando diversificar seu formato narrativo e de debate social, nos últimos anos, como em ‘Capitão América 2: O Soldado Invernal’ de 2014 e ‘Capitão América: Guerra Civil’ de 2016. No mundo do cinema, não só os filmes de adaptações de quadrinhos, são alvos das críticas mais negativas, pois, a indústria de Hollywood como um todo é constantemente questionada, principalmente por causa de seus longas de ação, comédias, terror e romances, o popularmente chamado “cinema pipocão”, que produz refilmagens e continuações, em geral, muito parecidos entre si e que se aproveitam da tendência da vez, majoritariamente voltados para um público adolescente. [[[parágrafo]]]Além de discutir a qualidade destas produções, os maiores críticos questionam, também, a concorrência desleal destes produtos, que na maior parte do ano, ocupam a maioria das salas de cinema e a agenda dos melhores atores. No enredo do próprio ‘Birdman’, em um diálogo entre o ator, personagem principal, (Riggan Thomson) e o produtor (Brandon), interpretados por Michael Keaton e Zach Galifianakis, eles questionam a dificuldade de contratar atores, para participarem de sua peça, por estarem todos envolvidos com filmagens de filmes comerciais, como ‘Jogos Vorazes’ e ‘Vingadores’. Este não é o único longa-metragem recente, a questionar o mercado cinematográfico norte-americano, no filme francês, ‘Acima das nuvens’, de 2014, com Juliette Binoche, que vive o papel de uma atriz de renome, que é contestada por algumas pessoas, por causa do fato de ter se rendido a um papel em um filme de super-herói, mais especificamente da franquia ‘X-Men’, considerado inferior ao seu talento. Aliás, trabalho que premiou Kristen Stewart, com o Prêmio César de Melhor Atriz Coadjuvante, de certa forma, também um tapa da cara de Hollywood, que desperdiça o talento de alguns atores e atrizes, em franquias como ‘Crepúsculo’. [[[parágrafo]]]A própria biografia de Keaton, como ator, é um exemplo de como esses filmes podem aumentar o cache de um artista por um tempo, mas por vezes, acabam limitando sua oferta de trabalho. Esse fenômeno aconteceu durante anos, também, com atores intérpretes de outros personagens como o Super-Homem, com os atores Christopher Reeve e Brandon Routh, no cinema e ocorre, também, em séries de TV, como com os atores George Reeves de Super-Homem de 1953, Dean Cain de ‘Lois & Clark - As Aventuras do Superman’ e Tom Welling de ‘Smallville’, que ficaram marcados por seus papéis nas séries e que não conseguiram outros papeis relevantes. Claro que o talento deles deve ser considerado, também, nesta conta, mas é inegável que sua identificação com a figura do personagem, atrapalha que consigam outros trabalhos. O enredo inteiro de ‘Birdman’ é uma construção metalinguística, que critica a indústria cinematográfica como um todo, fazendo uma analogia com a própria carreira de Keaton, que interpretou Batman nos dois filmes dirigidos por Tim Burton e depois trabalhou em poucos longas de sucesso. Mesmo os longa-metragens de Burton não levavam seu personagem a sério, pois já eram uma sátira do mundo dos quadrinhos, que depois viraram um escárnio ridículo na direção de Joel Schumacher, sendo que Batman só foi tratado com maior respeito, no cinema, com a trilogia de Christopher Nolan. [[[parágrafo]]]Definir o que é arte ou o que é “cultura boa” ou “cultura ruim” é uma pretensão, praticamente impossível e geralmente quem as diferencia, o faz com alguma arrogância preconceituosa ou elitista. Quase sempre o tipo de arte ou cultura consideradas “superiores ou verdadeiras” são as produzidas por uma elite econômica ou intelectual. Obviamente que existem produções artísticas e culturais que utilizam técnicas mais elaboradas ou com maior grau de inventividade e erudição e que a maior parte do público que lota as salas de cinema para assistir os filmes de maior sucesso, não é intelectualmente muito exigente. No entanto, a importância de um produto artístico cultural deve ser medida pela sua capacidade de significar, representar ou expressar caraterísticas de determinado indivíduo ou grupo social. Porém, é inegável que o mercado do entretenimento, não abre muito espaço, para o que não é tendência e o que é ditado por quem domina os meios de comunicação e por isso produções estrangeiras, como filmes europeus e orientais, além dos documentários, tem dificuldade de chegar a públicos maiores e são considerados “chatos” por espectadores despreparados e desacostumados com produções que fogem do “senso comum”. Entretanto, não é por que algum produto artístico é feito com o intuito de entreter e ganhar dinheiro com isso, que é exatamente ruim. A primeira trilogia ‘Star Wars’ e ‘O Senhor dos Anéis’, estão aí para provar isso. [[[parágrafo]]]A crítica de Iñárritu feita através de seu filme, como forma de expressão de suas frustrações como cineasta, que começou com todas as dificuldades de se produzir uma obra audiovisual, no México, sem a o auxílio das grandes corporações é válida e deve ser refletida. Principalmente quando levamos em conta o monopólio que as grandes distribuidoras têm das salas de cinema, que impedem que filmes como os que concorrem todos os anos, no Oscar, na categoria de Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Documentário, ou mesmo os de festivais internacionais e independentes, mesmo os mais prestigiados, que na maioria das vezes, alcançam um público muito reservado, por falta de distribuição mais ampla. Isso tudo fundamenta a reclamação do diretor mexicano. [[[parágrafo]]]No entanto, não podemos negar a hipocrisia desse julgamento ser feito em uma premiação, onde a maior parte dos atores indicados, estavam trabalhando em adaptações de longas baseados em quadrinhos. Os próprios trabalhos mais recentes de Iñárritu, não são exatamente o que se pode chamar de cinema “não-comercial”, pois ele também teve que se adaptar para conseguir espaço na indústria. Deve-se também levar em consideração, que esses filmes que arrecadam quantias aproximadas de cifras bilionárias, sustentam toda uma cadeia cinematográfica que mantém diretores consagrados, mas que lucram pouco, como a Woody Allen, até diretores iniciantes e independentes que captam recursos junto a empresas menores associadas a grandes estúdios. Críticos de cinema e estudiosos das artes e estudos culturais mais experientes, reconhecem o valor de produtos culturais comercias, ainda que admitam seu caráter majoritariamente hedonista, politicamente totalitário e de caráter aculturador. Acima de tudo, defendem que cabe ao público buscar conhecimento e educação, que os permita apreciar todo tipo de manifestação cultural e que seria ainda mais errado censurar a cultura popular, mesmo a mais comercial, de forma moralista, ao invés de esclarecer os espectadores. [[[parágrafo]]]Apó s a declaração do diretor de ‘Birdman’ no Academy Awards, entre outras críticas aos filmes de quadrinhos, como a música cantada por Jack Black, na mesma cerimônia, o diretor James Gunn (‘Guardiões da Galáxia’), saiu em defesa do gênero, em sua conta do Facebook. Entre outras coisas, mencionou que as adaptações de quadrinhos são feitas com o mesmo amor, que qualquer outro, em suas palavras: “ Se você acha que as pessoas que fazem longa-metragens de super-heróis são idiotas, levante-se e diga que nós somos bobos. Mas se você, como um cineasta independente ou um cineasta ‘sério’, acha que coloca mais amor em seus personagens do que os irmãos Russo fizeram com o Capitão América, ou Joss Whedon faz com o Hulk, ou eu com um guaxinim falante, você está simplesmente equivocado. ” Independente das opiniões de Gunn ou Iñárritu, o certo é que existe espaço para todos os tipos de produção artística e um público que cada vez menos sai de casa, a ser conquistado e convencido a continuar frequentando as salas de cinema, na era da internet. Os próprios filmes adaptados de quadrinhos têm tentado evoluir e explorar gêneros narrativos diferentes, como o do cinema de espionagem, comédia e policial, para manter o interesse dos espectadores mais exigentes. [[[parágrafo]]]Mesmo ações como leis de reserva de mercado, como a existente no Brasil, que obriga as salas a ter um mínimo de exibição de longas nacionais, não consegue garantir a competitividade e a qualidade do que é exibido, já que mesmo dentro da nossa produção nacional, temos filmes de qualidade artística questionável. Se o cinema de ficção, que não é voltado exclusivamente para o entretenimento, tem cada vez mais dificuldades de levar o público ao cinema, isso é ainda mais difícil para os longa-metragens mais autorais e documentários. Resta ter esperança que no futuro, serviços de streaming equilibrem um pouco a balança e levem a um público maior, longas que não encontram espaço nas salas de cinema e criem um mercado sustentável para cineastas que fazem produções “não tão comerciais”. [[[parágrafo]]]Aind a que Iñárritu tenha razão ao criticar a indústria do entretenimento em ‘Birdman’, seu discurso no Oscar, como disse James Gunn, está um pouco “equivocado”. Principalmente pelo fato de ele julgar que os filmes que critica, disputam o mesmo público de suas histórias, generalizando os espectadores, pois as pessoas que assistem as produções mais autorais, no cinema, não são necessariamente os mesmos que assistem documentários, longas franceses, animações, filmes de ação, etc. Da mesma forma, comparar a qualidade artística de cada tipo de produção cinematográfica com os mesmos critérios, incide em erro, pois cada um é feito com um propósito e para um universo cultural diferente. #FÃ CULT #Fancult #PipocadePimenta.

31/08/2016 - Renato Pacheco (36 anos)

  Ótimo
Denunciar
Louco e ao mesmo tempo brilhante, adorei o filme, nota 10.

13/02/2018 - Goldenrose (53 anos)

  Péssimo
Denunciar
Um dos piores filmes que já assisti. Chatíssimo do início ao fim.

26/02/2019 - Danielgulmine (38 anos)

  Ruim
Denunciar
Esse filme eu nem tinha ouvido falar, mas resolvi ver o razoável Lady Bird é esse na sequência. Filme complexo e estranho. Amem ou odeiem. Eu odiei. Difícil, cansativo e chato. Só o Michael Keaton que salva, principalmente na cena de cueca na Times Square. Enfim, filminho complicado.

Novo Comentário
Faça seu comentário, mas por favor, siga estas regras:
- Não faça perguntas, faça comentários sobre o filme;
- Não conte o final do filme nem partes importantes para o desfecho, mas se necessário marque o texto;
- Seja objetivo e descreva o porquê de sua nota;
- Se você ainda não assistiu ao filme, dê nota "Não vi";
- Não critique outros comentários, apenas faça o seu, sem preconceitos;
- Se você não gosta deste gênero de filme, é melhor não comentar;
- Comentários que descumprirem estas regras, serão excluídos totalmente.

 Agradecemos a colaboração. Bom uso!

O Texto Contém Spoiter? Sim / Não     Selecione o texto com "Spoiler" e click aqui.

Nome: Idade:  Nota:

Últimos Visitados

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (Birdman: Or (The Unexpected Virtue of Ignorance))

Copyright © 2019 www.interfilmes.com - Todos os Direitos Reservados. Acesse a Política de Privacidade.