Medianeras - Buenos Aires na Era do Amor Digital

  (Medianeras)

Sinopse


Mariana, Martin e a cidade. Os dois vivem na mesma quadra, em apartamentos um de frente para o outro, mas nunca conseguem se encontrar. Eles se cruzam sem saber da existência um do outro. Ela sobe as escadas, ele desce as escadas; ela entra no ônibus, ele sai do ônibus. Eles frequentam a mesma videolocadora, sempre com um stand de filmes que os separando. Eles sentam na mesma fileira em um cinema, mas a sala é escura. A cidade que os coloca juntos é a mesma que os separa.

Informações


Título no Brasil Medianeras - Buenos Aires na Era do Amor Digital
Título Original Medianeras
Ano Lançamento
Gênero Comédia / Drama
País de Origem Argentina / Espanha / Alemanha
Duração95 minutos
Direção
Estreia no Brasil 02/09/2011
Estúdio/Distrib. Imovision

Elenco


... Martín
... Psiquiatra
>> Ver todo o Elenco...

Trilha Sonora


“True Love Will Find You In The End”Escrita por Daniel Johnston
Interpretada por Daniel Johnston
“Ain't no mountain high enough”Escrita por Valerie Simpson e Nick Ashford
Interpretada por Marvin Gaye e Tammi Terrell

Trailer



Comentários



  >> Ver todos os Comentários...

10/03/2012 - Lu (37 anos)

10/03/2012
Lu (37 anos)

12
  Ótimo
Denunciar
Muito lindo! Pura arte! Retrata de forma magistral as relações humanas num mundo povoado de concreto e que nem a era digital supre a solidão. Os argentinos sabem falar sobre as emoções. Imperdível!

20/03/2012 - José Luiz (60 anos)

20/03/2012
José Luiz (60 anos)

13
  Ótimo
Denunciar
Mais um filme argentino com roteiro inteligente, uma constante no cinema dos "hermanos". Os atores - e, principalmente, a atriz - são excelentes. Já está na hora do nosso cinema produzir filmes de qualidade como esse. Indico "Medianeras" para qualquer idade.

22/03/2012 - Carlos N Mendes (45 anos)

22/03/2012
Carlos N Mendes (45 anos)

14
  Ótimo
Denunciar
Caro Fábio Sidrack, faço meu o seu comentário. Vivendo em uma cidade que sendo gradualmente destruída pela especulação imobiliária - e sob os aplausos entusiasmados que quase todos que me cercam - ver uma análise tão precisa como essa que o diretor Gustavo Taretto faz em "Medianeras", só posso ver que Buenos Aires nos dá um bom alerta do que muitos de nós brasileiros teremos amanhã. Malditos sejam os incorporadores e seu sagrado lucro. Malditos sejam nossos políticos, que vendem nossas cidades por um punhado de IPTUs. Bendito seja o filme "Medianeras", um grito de alerta que deveríamos ouvir, se não quisermos viver em caixas de fósforos. Nota 9.

03/04/2012 - Bernardo G.B. Nogueira (28 anos)

03/04/2012
Bernardo G.B. Nogueira (28 anos)

15
  Ótimo
Denunciar
QUEM NÃO VIU, NÃO LEIA.
Da vida: o que não se pode saber
“Somos o que há de melhor
Somos o que dá pra fazer
O que não dá pra evitar
E não se pode escolher”
Humberto Gessinger
“Para se opor ao mundo contemporâneo pode-se atuar na política, mas estar cativado completamente por uma obra de arte ou estar profundamente enamorado é como uma rebelião secreta e pessoal contra o mundo contemporâneo. ”
Alain Badiou, in, Carta Capital 02/2012
Vamos mais uma vez ingressar nesses sentimentos que alguns filmes nos criam. Eu sempre estou a me referir a sentimentos quando escrevo sobre cinema. De um lado eu poderia pensar que é uma possibilidade de me furtar a críticas, pois estou a me referir a sentimentos, subjetividades, portanto. Contudo, de outro lado, menos que o receio da crítica, me sinto na obrigação de dizer assim. Sobretudo em dias em que as artes estão relegadas àquilo que delas faz a “Indústria Cultural” e, portanto, prefiro pensar que escrevo assim para me aliar a Badiou e me rebelar contra o status quo em que estamos imersos. Bom, o filme que me desperta os olhos e o coração é “Medianeras - Buenos Aires na era do amor virtual”, de Gustavo Taretto. Ter a capital argentina como pano de fundo de uma filmagem já seria algo interessante por si só. Quando caminhamos por Buenos Aires somos transportados para um tempo que é contado pelas esquinas e cafés, pelas veredas e pela história sempre muito peculiar dos seus moradores. O fato dos argentinos terem se rendido ao estilo francês de construção e, de certa forma, também de relação com a cidade, faz com que a cidade seja já um cenário artístico. O cosmopolitismo de Buenos Aires confundido com o bairrismo portenho inaugura novos sentimentos e olhares a quem está por ali a sentir o cheiro dos cafés. No entanto, não é esta Buenos Aires que o filme Medianeras retrata. O diretor capta de maneira extraordinária aquilo que não é visto pelos olhares comuns. Há uma leitura interessantíssima que conduz a uma reflexão sobre a cidade como espelho do interior humano. De certa forma, o diretor resgata o pensamento platônico acerca da organização da polis, que, para este filósofo – em proporção maior – se organizaria da mesma forma que o corpo humano. Nesse sentido, a desordem com que a cidade cresce. A desfaçatez dos edifícios inertes e imensos. A longitude dos fios que entrelaçam relações escondidas pelo anonimato de uma sociedade que não desliga, mas que tem a sensação de estar sempre a dormir. Isso tudo está a serviço de expor o modo frenético e desalinhado com que estamos a nos relacionar. Arquitetura citadina como reflexo da arquitetura humana. Há ali, na cidade, um mar de pessoas que não escolhem sua existência e são medidas em acordo com os metros que conseguem manter para que possam se esconder da multidão lá fora. Multidão da qual têm notícia a todo momento, pelos blogs, faces, twitter e demais ferramentas de comunicação. Ferramentas. A própria nomenclatura diz a que se dão: facilitar a realização de algo, no entanto, como dizer que as relações humanas são fáceis e simplificáveis? Esta face estranha de Buenos Aires causa uma sensação quase que claustrofóbica no expectador, uma vez que o diretor mostra que a cidade cresce sem o controle pretensamente querido pelos cidadãos. Cresce, e paradoxalmente sufoca os que nela habitam. A cidade que se vira de costas para o rio que a margeia e por aí segue uma via de crescimento antinatural. Que não aproveita o silêncio das águas do rio da Prata que de tão imenso, como diria Borges, parece nem se movimentar. Esse caos das construções, a vida virtual, mias real que o real, e a contingência dos desencontros e encontros, entremeados pela excitação da polis, são bons fios condutores para o desenvolvimento da trama. As indagações existenciais são inevitáveis quando lançamos um olhar diferente e mais parcimonioso para qualquer objeto. Várias faces podem ser desveladas quando a pressa dos soslaios dá lugar à calmaria da admiração – palavra por certo mais romântica e adequada a uma vida menos robótica. Em Buenos Aires, há frases de Borges espalhas por muitas esquinas. Palavras que nos conduzem ao seu universo imagético. O autor de “Medianeras”, não se utilizou desse charme diretamente e nem mencionou a poesia que há no “castelhano” dos portenhos. Na película vimos uma outra face de Buenos Aires, mas, quase sem querer, de maneira inevitável, a cidade não consegue deixar esse romance inato escapar. Por isso, por entender que há algo de inevitável entre os excessos de construções, angústias, solidão e vida virtual, nos propusemos aqui relacionar o filme a uma fala de Badiou e a uma canção de Humberto Gessinger. Vamos a esses pensamentos ou sentimentos. Há no filme dois personagens muito interessantes: Martin (Javier Drolas) e Mariana (Pilar López de Ayala). Eles moram na mesma rua e em prédios vizinhos. Cruzam-se em alguns momentos, mas nunca se encontram. A cidade os direciona, ora para um encontro, ora para o desencontro. Seguem, cada um sua vida, sem ter lá muito direcionamento. Ele, um produtor de sites que tenta se curar de uma fobia. Fobia do encontro com o outro. Por isso começa a fotografar a cidade. Uma forma de se relacionar novamente com as pessoas. Ela, uma arquiteta malsucedida que por enquanto trabalha montado vitrines. Cada um a sua maneira faz reflexo dos vultos que a polis cria no homem pós-moderno. Martin se relaciona com o mundo pela internet, desde sexo até comida pronta, tudo por ali. A realidade dele é a sua ferramenta de trabalho. Forma e conteúdo se confundem. Mariana vive de maneira irreal com seus manequins. Há uma relação bastante intrigante entre ela e os manequins e entre Martin e a internet. Nenhum dos dois pessoas muito bem adaptadas. Ela tem fobia de elevadores, isto em uma cidade que cresce verticalmente torna as coisas ainda mais difíceis. Ele, abandonado pela namorada que retorna ao Estados Unidos, vive com fobia das pessoas. Isso em uma cidade que cresce sem medidas, também não ajuda muito. Ela transa com os manequins, ele com uma mulher qualquer na net. Ela escuta a música que o vizinho toca ao piano. Ele escuta uma de suas milhares músicas “baixadas” pela internet. Ela fuma cigarros enquanto se confunde com as vitrines. Ele fotografa pessoas enquanto não se confunde com nada. Duas vidas parecidas. Absorvidas pelo frenesi da cidade e dos prédios em que vivem. Das relações fugazes. Dos abraços sem aperto. Dos cafés descafeinados. Do leite pasteurizado. Do outro sem face. Do sorriso comprado. Confundem-se entre a vida real e o personagem que encarnam para sobreviver. Nas fotos, Martin recupera a vida das pessoas. Em suas vitrines, Mariana tenta encontrar um espaço que lhe dê sentido. Encontrar. Desencontrar. Viver. Sobreviver. Esses verbos de alguma forma nos encaminham para o enlace que gostaria de fazer em relação a Badiou e Gessinger. Na entrevista que o francês concedeu à Carta Capital, nos incitou a criar sentido para a vida a partir de uma ideia. Pois só a partir dela é que poderíamos estar de maneira autêntica no mundo. Portar-se de forma tal que sua vida tenha um sentido criado por si e não meramente dado e obrigado, como uma imposição. A ideia é aquilo que não pode ser quantificado. Que não pode ser medido pela matemática opressora da vida na cidade. Essa possibilidade, em acordo com o autor, se dá no reino da criação, da ideia, de estar enamorado por algo. Assim, “quando estamos enamorados, trata-se de uma ideia e isso é o que garante a continuidade desse amor. Para se opor ao mundo contemporâneo pode-se atuar na política, mas estar cativado completamente por uma obra de arte ou estar profundamente enamorado é como uma rebelião secreta e pessoal contra o mundo contemporâneo. ” E aqui, estas três formas de arte começam a dar as mãos. Mariana esteve sempre envolta em uma procura desafortunada, pois “se até no livro, mesmo sabendo quem está procurando, nunca consegue encontrar o "Wally" na cidade, imagina encontrar alguém na cidade de verdade, sem nem saber quem está procurando. ” Martin buscava, distraído entre a internet e as fotos da cidade, encontrar-se a si mesmo, talvez na face de um outrem real fora dos sites que criava. Badiou sustenta uma saída não convencional para o caos da sociedade que tudo consome: enamorar-se. Pois estar enamorado é não estar à venda, é se furtar ao holofote mais aceso, é desviar o olhar para o rio, é não ver a cidade, os cubículos em que ela nos transforma, conforma. Gessinger propõe em sua belíssima canção 3x4, que só vale a pena aquilo que é inevitável, “o que não dá pra evitar e não se pode escolher”. Tudo isso está inserido no enredo do filme que tem como título “Medianeras”, palavra que foi traduzida pelo diretor a partir do seu olhar próprio sobre Buenos Aires. Medianeras, como as partes dos prédios que não têm nenhum sentido e que quase sempre são utilizadas como local de venda de anúncios. Local inóspito e sem vida, que compõe a paisagem da cidade habitada pela desordem exterior diametralmente parelha com a interior. Nesse sentido, o fato dos personagens Mariana e Martin, subverterem a “ordem” das construções e abrirem janelas em seus cubículos, traz o sopro de vida que o inevitável precisa para submergir. Os raios de sol apontam a possibilidade de o novo habitar o cinza de sempre. Da primavera. Do extra, do não ordinário colorir seus olhos e ouvidos. Essa atitude de rebeldia talvez seja o que antecede o inesperado, que não se pode prever, mas que se pode estar sensível para receber. Sem luz, como simbolizado no filme, os olhares não se podem entrecruzar, e a vida parece uma des-ordem sucessiva e disforme de fatos que sucedem os outros infinitamente. E a cidade parece sem vida e sem nenhuma cor. Conformada. Daí que imaginamos esses enredos a se encontrar. Pois o cantor propõe um enlace a partir daquilo que não fora projetado, assim como a Buenos Aires do filme também não fora. Assim como Mariana não poderia prever que o Wally na cidade seria tão difícil encontrar. Assim como Martin não pudera prever que não captaria o que procurava com sua lente. Do contrário, ele seria capturado pelo inevitável que sempre foi a procura de Mariana. A procura por algo que fizesse sentido e a retirasse da vitrine, algo pelo qual ela pudesse se enamorar, algo que a fizesse encontrar o “Wally na cidade”, nesse caso, inevitável, como o amor de Badiou, como a esposa de Humberto Gessinger, como a distração de Martin perante a excitação da cidade.

05/04/2012 - Afonso (53 anos)

05/04/2012
Afonso (53 anos)

16
  Bom
Denunciar
Apesar da história um tanto simples, um filme envolvente e gostoso de assistir. Os diretores argentinos dão de 10 a 0 no lixo nacional, que tratam só de violência e prostituição nos morros cariocas.

30/04/2012 - Henrique (54 anos)

30/04/2012
Henrique (54 anos)

17
  Bom
Denunciar
Personagens solitários em uma selva de pedra a procura do minimo de felicidade. Não é um filme para muitos. Ah, um exagero o tamanho da crítica do colega Bernardo, desnecessário.

03/05/2012 - Maria Teresa (30 anos)

03/05/2012
Maria Teresa (30 anos)

18
  Ótimo
Denunciar
Medianeras é uma obra-prima da narração em OFF. Logo, no início, quando Martin descreve a Cidade de Buenos Aires, eu me identifiquei com a Cidade de São Paulo, cujos prédios também 'armazenam' seres humanos em 'caixas de sapatos'. A forma como Martin e Mariana descrevem suas emoções, suas decepções ou aquela dolorosa sensação de não pertencer a lugar nenhum ou de não pertencer a ninguém torna o filme simplesmente agradável e divertido em suas reflexões. Direção competente, interpretações sensíveis. Eu diria que o filme é 80% de narração em OFF, portanto, se você não tem paciência para ler um livro, esqueça Medianeras, porque, Medianeras é perfeito. Amei!

21/05/2012 - Tulio (34 anos)

21/05/2012
Tulio (34 anos)

19
  Ótimo
Denunciar
Esse filme é muito bom. Ponto. Mas não vamos super estimá-lo. Da narração do filme gostei daquela frase sobre os cabos que nos conectam nos afastam. No futuro, iremos nos relacionar por meio do mundo virtual.

31/07/2012 - Jacqueline (34 anos)

31/07/2012
Jacqueline (34 anos)

20
  Ótimo
Denunciar
Um filme que consegue retratar a solidão no meio de tantas oportunidades. O quanto estamos sozinhos no meio de uma rede de comunicação imensa e frágil ao mesmo tempo. O lado tenso da separação, do desenrolar de um drama romântico, do abandono, que muitas vezes nos obriga a optar pelo refúgio e distanciamento do mundo, até que o renascimento se aflora aos poucos e do nada. Novos momentos, novas expectativas, novos amores, nova vida. Adorei o filme e a história, e ainda, de brinde tem o cenário gigantesco dos edifícios e suas medianeiras, da capital federal que tão linda e elegante é.

13/09/2012 - Carlos (35 anos)

13/09/2012
Carlos (35 anos)

21
  Ótimo
Denunciar
Excelente. Mostra como é possível criar um bom filme a partir do cotidiano, sem precisar recorrer a violência, efeitos especiais, etc.

25/09/2012 - Keila (16 anos)

25/09/2012
Keila (16 anos)

22
  Regular
Denunciar
Um ótimo filme, mas que para entendê-lo precisamos um pouco de atenção, na minha opinião ele é um arcadismo propriamente dito. Linda história.

13/10/2012 - Mizael (54 anos)

13/10/2012
Mizael (54 anos)

23
  Ótimo
Denunciar
Excelente filme.

28/11/2012 - Rafael R. (34 anos)

28/11/2012
Rafael R. (34 anos)

24
  Ótimo
Denunciar
Adorei! O filme é maravilhoso! Quando alguém me convida pra assistir uma comédia romântica, tenho vontade de fugir, mas no fundo é isso do que se trata, mas como uma temática muito mais profunda que esses enlatados com a Jenifer Lopes. Sem contar que adoro Buenos Aires! Show!

08/04/2013 - Fã de Cinema (37 anos)

08/04/2013
Fã de Cinema (37 anos)

25
  Regular
Denunciar
É legalzinho por mostrar bem como é a SOLIDÃO NA CIDADE GRANDE. Muita gente, muitos meios de comunicação, mas... Estamos cada vez mais distantes dos relacionamentos. As pessoas até se desejam, mas suas químicas não combinam, quase uma relação chave-fechadura. Infelizmente, o filme é monótono, MUITO PARADO, o que dá sono. Também fizeram pouco uso da boa TRILHA SONORA - de propósito, talvez, para sentirmos a solidão retratada, com momentos de silêncio e muita penumbra.

17/12/2021 - Edson (54 anos)

17/12/2021
Edson (54 anos)

  Ótimo
Denunciar
Muito bom, gostei e recomendo.

Novo Comentário
Faça seu comentário, mas por favor, siga estas regras:
- Não faça perguntas, faça comentários sobre o filme;
- Não conte o final do filme nem partes importantes para o desfecho (spoiler), mas se necessário marque o texto;
- Seja objetivo e descreva o porquê de sua nota;
- Se você ainda não assistiu ao filme, dê nota "Não vi";
- Não critique outros comentários, apenas faça o seu, sem preconceitos;
- Se você não gosta deste gênero de filme, é melhor não comentar;
- Comentários que descumprirem estas regras, serão excluídos totalmente.

 Agradecemos a colaboração. Bom uso!

O Texto Contém Spoiler? /    
Selecione o texto com "Spoiler" e click aqui.

Nome: Idade:  Nota:




Últimos Visitados

Medianeras - Buenos Aires na Era do Amor Digital (Medianeras)

Copyright © 2022 www.interfilmes.com - Todos os Direitos Reservados. Acesse a Política de Privacidade.